ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

quinta-feira, setembro 07, 2006

 

Violência e política

O debate sobretudo blogo-esférico em torno dos terroristas nas barraquinhas da Festa (ainda bem que não há outra como aquela!) provavelmente nunca sairá verdadeiramente deste âmbito para o outro, político, onde devia estar. Mas, ao menos aqui, convém notar algo que por estes dias também se comentou a respeito de outros assuntos, a relação entre violência e política.
Ontem, justamente a propósito dos discursos na Festa, Prado Coelho perguntava pelo sentido de referir Lenine na política de hoje. Cultor de longa data das tácticas leninistas (que nesse mesmo dia lhe valeram um processo judicial por parte do presidente do Gil Vicente…), Prado Coelho sabe bem a resposta, e em qualquer caso o artigo ao lado do seu (de Rui Ramos, sobre o entusiasmo no Ocidente pelos terroristas islâmicos) explicava: para justificar a violência como política.
Não «violência em política», coisa inevitável e não inteiramente nociva (leia-se Weber). Mas «violência como politica», seja na forma do insulto gratuito como o de EPC (ao presidente do Gil Vicente hoje, como ontem ao J. P. George ou a Augusto M. Seabra, para não me alongar), seja na forma mais prática de acção directa, de substituição da discussão pública racional, dentro de um contexto legal e com sentido de responsabilidade, pela simples eliminação do adversário. O artigo de Rui Ramos não adiantava nada, a não ser novos exemplos, ao que Fernando Gil e Paulo Tunhas já escreveram sobre a má-fé intelectual e as coincidências entre os extremos políticos do Ocidente com as formas negadoras da vida Ocidental (como o islamismo pré-moderno). Mas o relevante é que haja sempre mais a acrescentar…
Agora que nos aproximamos desse triste aniversário de próxima Segunda, o debate sobre as FARC tem o mérito de nos lembrar como o terrorismo está bem próximo e de como, mais do que quaisquer declarações de princípios teóricos ou pessoais, a cumplicidade com ele, nos argumentos e na socialização, é frequente. Sim, Lenine e o seu elogio da violência como política estão bem vivos, falando como EPC, festejando como o PCP, ou matando como os partidários de Deus. Fazem, infelizmente, sentido.
CL
PS – Se me quiserem contradizer, cá espero pelos argumentos. E fica desde já o aviso para prevenir a conversa do «terrorismo de Estado»: os cidadãos livres, as instituições responsáveis e o país a que tanto devemos fizeram o campo de Guantanamo, mas irão, mais cedo ou mais tarde, encerrá-lo. Pois são eles os seus primeiros e principais contestatários. Pudera eu sequer acreditar em algo semelhante a respeito dos cultores de Lenine…



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?