ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

sexta-feira, setembro 01, 2006

 

Out, indubitavelmente (post de t-shirt)

Hoje acaba O Independente, e para variar deve esgotar a tiragem. Ou, talvez melhor, o Indy já acabou há muito tempo, aos poucos, talvez mesmo antes de dar como perdida a meta de vender mais um exemplar do que o Expresso. É simbólico que acabe apenas duas semanas antes de surgir o próximo challenger do Expresso (que aprendeu com a lição do seu antecessor e anuncia não pretender suplantar em vendas o semanário de Balsemão). Simbólico de um jornalismo que nos anos ’80 surgiu e morreu sem remédio, sendo O Independente o seu último resto. O Liberal, O Século (de Albarran), a Sábado (entretanto renascida), e outros que já não me ocorrem viveram de um boom criado pela europeização dos costumes induzida pela adesão à CEE e foram dos primeiros casos de insucesso da nossa economia em corresponder aos desafios da competição. Tal com as TV’s privadas, tentaram sobreviver nivelando por baixo e o resultado foi a agonia.
No caso do Indy foi longa. Apesar de não se notar logo nas vendas, começou com a saída de director do MEC. Para quem pertence à geração de leitores dos anos ’80, como eu, terá sido uma mudança decisiva. O jornal partidarizou-se e, mudado o governo, com isso perdeu sentido. Mantive-me fiel por causa de Júlio Pinto. Mas quando ele morreu deixei de comprar. Ainda segui regularmente a edição na net (esqueço-me do nome de um tipo da publicidade que escrevia crónicas cheias de piada) mas quando ela entrou «em manutenção», por um tempo indefinido, cansei-me. Depois disso, quando reparava nas manchetes, não me interessava. A última de que me lembro foi «Um livro do Carrilho»…
Não me arrependo de ter deixado de o ler, não lhe vou sentir a falta. Mas foi durante algum tempo um caso único em Portugal (bem diferente do Público, que foi sempre o jornal que é hoje, embora tenha sido melhor do que agora é). Por isso escrevi este post vestido com a minha T-shirt de estimação, comprada no tempo áureo do Indy. Não posso scanná-la, deixo o texto que exibe: «Incontrolável. Inevitável. Inconveniente. Insuportável. Incorrigível. Inteiro. Inteligente. Insubmisso. In».
CL



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?