ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

sábado, setembro 09, 2006

 

Modernidade, conservadorismo e construtivismo

Muito discreto, mais do que devia, o conjunto de anotações de Pedro Mexia sobre liberalismo. Bem superior à fórmula gasta, evocada a pretexto de O Independente, «conservador em política, liberal em cultura» (contradição em termos desde a Revolução Francesa, mas quem se incomoda com isso?), na série de posts no seu Estado Civil, e em diálogo com outros blogs, tem-se criticado várias vezes o carácter racionalista do liberalismo. Não por acaso cita poucas fontes, não há «o» liberalismo, nem pode haver, quando o liberalismo político se faz sempre em função de costumes anteriores que, em tese, se liberalizam (esta foi, em parte, a crítica que fiz a um livro de Alexandre Franco de Sá, Metamorfose do poder). Quando essa liberalização de costumes não se verificou (como sucedeu em Portugal), tanto o liberalismo como doutrina política como as formas políticas suas adversárias (comunismo e fascismo) permaneceram presas de costumes e estruturas sociais tradicionais avessos quer à racionalidade liberal, quer às movimentações de massas que comunistas e fascistas evocam sem se aperceberem que só em sociedades modernas elas podem existir com a plasticidade que ambos os movimentos pretendem (questão que já foi aqui referida numa série de posts anteriores).
Mas mesmo mantendo a discussão a um nível estritamente teórico, a escolha de Hayek não colhe. O que ele criticava no racionalismo em política era a sua radicalização positivista, aquilo a que Hayek chamou o erro construtivista. Pretender aplicar sem mais essa acusação de racionalismo ilimitado ao liberalismo político, o qual se limita a pertencer a um processo de modernização específico do Ocidente, não cola muito à experiência que conhecemos (quem são esses liberais, afinal?) nem cura muito da teoria. Mas essas, em bom rigor, são marcas da ficção conservadora, essa criação moderna concebida para renegar a realidade da mudança…
CL



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?