ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

sábado, agosto 05, 2006

 

O fascismo nunca existiu? (Situação europeia e consciência nacional)

Pede-me Bruno Cardoso Reis, em O Amigo do Povo, explicações:
«Para já deixo-lhe a ele e aos demais anti-revisionistas um par de perguntas: Como é que definem fascismo? O Salazarismo é fascismo porquê?»
Deve-se isto a um post meu, «Rever a crise do liberalismo», em que em vez do jogo do empurrar a culpa entre Esquerda e Direita sobre culpas e mentiras relativamente aos crimes políticos do século XX, sugeri que a crise do liberalismo é o tema que mais importa, mas que nessas polémicas mais se esquece. Ou seja, não adiro aos termos da discussão «quem matou mais, rojos ou falangistas?». Isto exclui-me de quase todos os «demais» a que Bruno Cardoso Reis se refere, mas em todo o caso prefiro por agora a companhia deles à dos historiadores que Bruno Cardoso Reis muito respeita.
Por isso mesmo, temo desapontá-lo com a seguinte resposta (no Vox Populi de O Amigo do Povo já falei dos aspectos menores da discussão):
1) O fascismo como ideologia foi tão vazio que nem tem uma definição forte, como a que há para comunismo (aliás requerendo várias distinções) e nazismo. De origem italiano e revivalista da Roma imperial, difundiu-se em versões igualmente vagas entre regimes de países com histórias que se prestavam a ser mitificadas de modo similar A única resposta que vejo ser viável é, não uma definição de género «tipo ideal», sempre de tipo contextual. Pelo que,
2) O salazarismo foi um regime fascista por se filiar explicitamente no movimento italiano que cunhou o termo (apesar de a sua realidade militar nada ter que ver com a do Império Romano…), por só se ter afastado dele quando a derrota do Eixo era inevitável, e por nunca ter mudado significativamente a sua política antimoderna (o que não significa que não tenha havido modernistas, coisa diversa, a servir de adorno ao regime), isto é, antiliberal, antidemocrática, e uma série de outros «anti» que caracterizam bem a natureza reactiva dos movimentos políticos (português, espanhol, italiano, e não só) que merecem a designação «fascista». Ou, para quem tiver pruridos, «filofascista», «protofascista», etc.
Pode preferir um método de definições gerais, mas até hoje nunca vi nenhuma que resolvesse «indiscutivelmente» o seu problema em encontrar uma definição satisfatória. Alias, no seu post di-lo também.

Neste ponto, uma nota de destaque: como acabei de repetir em 2), o meu post salientava que o Fascismo, tal como o Comunismo, se fez na Península contra a modernidade, e não sobre a modernidade como sucedeu no resto da Europa Ocidental. É um ponto decisivo, se me permite. Remete para a história de Portugal na modernidade e é dentro desta que enquadro toda a discussão (indiquei bibliografia bem como pistas de pesquisa por explorar). Falo portanto de um liberalismo anterior à revolução francesa, que fez o seu caminho como tradição daquilo que veio a chamar-se Esquerda contra o absolutismo, e que, em Portugal, nunca vingou. Ora, apesar de ser preciso diferenciar em vez de amalgamar (como escrevi no meu post), há uma nítida e proclamada coincidência entre a reacção na Europa e o conservadorismo português, que sempre se inspirou nela apesar de cá nunca ter havido revolução (tal como importámos a Contra-Reforma sem termos tido Reforma). E não é a mitificação vagamente biográfica de individualidades (João Franco ou Paiva Couceiro) que serve como modelo para discussão do processo histórico de isolamento de Portugal desde o século XVII (também ele a rever, admito). A diferença da nossa ditadura face às extra-peninsulares é real, por força da história moderna do país, mas não a torna menos ditadura (veja: se não foi fascismo, teve muito em comum – polícia política, censura, perseguições políticas e profissionais, campos de concentração tortura… não ser fascista em algum sentido teórico «exacto» ajuda em alguma coisa? «Democracia orgânica» será mais ajustado?). A escassa modernização da sociedade portuguesa até ao século XX gerou um liberalismo incipiente, ao contrário do que sucedeu na Alemanha ou em Itália, daí a necessidade de rever a sua crise (e respectivo desenlace ditatorial) em moldes próprios; mas sem falar dela como se se tratasse de uma evidência que os especialistas conhecem e os outros, coitados, não. E se me exige provas do que digo, toda a história do discurso crítico em Portugal no século XX está aí para quem a quiser ver. Um caso bem interessante, que já tratei num outro post, é o Adolfo Casais Monteiro em O país do absurdo. Aí, a lista dos «anti» de que se fez o regime é bem longa e bem analisada, com o «extra» do testemunho pessoal do autor. Não terminarei sem citar esse testemunho.

Antes disso, reconheço que tenho aprendido com os seus posts sobre a relação crítica do Vaticano com o regime nazi, mas deles não vejo como infere uma oposição a Hitler. Eu vejo um cuidado distanciamento expresso de forma diplomática. Já foi muito, de acordo. Mas resistir é outra coisa, que coube a pequenos grupos de cristãos. A mim, que sou ateu, isto não me espanta nem incomoda. E, como português, permito-me ver as diferenças de comportamento, face ao que explica ter sido a política do Vaticano perante o nazismo, da Igreja portuguesa face ao salazarismo, que literalmente ajudou a fabricar e a manter, invocando Maurras e destruindo as vidas de gente como Sílvio Lima, até se ter distanciado muito gradualmente desde que o estertor do regime se tornou evidente com a desertificação das paróquias promovida pela emigração. Tarde falou, e mesmo assim cedo demais para a ICAR, o Bispo do Porto quando descobriu que não se podia ser católico e salazarista. Não, não foram erros nem falta de informação, não foi a ausência em parte incerta, nem qualquer silêncio, de Deus: foi cumplicidade da hierarquia com o poder ditatorial e com os métodos (maquiavélicos no pior sentido do termo) do «em politica o que parece é». Já houve quem inventasse um rótulo: «catolaicismo». Conhece, decerto.

O que me espanta e incomoda é a soberba de quem trata por bestas e ignorantes, quando não como censores do «politicamente correcto» (?), todos os que falam sem exactidão científica de realidades políticas que (como refere de passagem, e eu concordo) muito resistem a qualquer definição indiscutível. Se quer esquecer as análises de Hermínio Martins, Joel Serrão ou Magalhães Godinho e apoiar-se em Pulido Valente e seus idólatras, faça favor. Eu reservo-me o direito de dizer que essa revisão pretende recriar a história para melhor convir às suas carreiras e às suas simpatias e antipatias paroquiais, para revogar sem argumentos mas com muita prosápia uma tradição historiográfica com 50 anos, a dos melhores historiadores de Portugal (sobre as science wars à portuguesa, outra instância da nossa retardada modernidade, também já escrevi, e à custa das condições para o meu trabalho, escuso-me a voltar ao ponto agora).
Quero terminar com o ponto do testemunho de quem viveu os acontecimentos. Fora dos confrontos entre historiadores, deixe-me terminar citando Casais, do livro que mencionei:

Mas, por outro lado, não podemos sequer acreditar – pelo menos nós, aqueles que ainda conheceram a vida portuguesa anterior à implantação da ditadura – naquele disco incansavelmente repetido segundo o qual a república era a desordem e a anarquia. Essa desordem e essa anarquia nunca existiram senão na imaginação apocalíptica dos autores de legendas para cartazes de propaganda, uma propaganda que não hesita em pretender convencer-nos que, antes do golpe do 28 de Maio… não havia estradas em Portugal, e não se podia sair à rua sem risco de ser morto pela explosão de uma bomba! Ridícula propaganda para analfabetos ou mesmo débeis mentais, do mesmo nível que as conhecidas figuras do «antes» e «depois» dos anúncios de produtos contra a queda do cabelo…
(p. 29)

Bem sei que Casais, coitado, nasceu em 1908 e não teve o benefício de ler os autores de hoje, que nem lutaram contra o marcelismo sequer (e para quê? O homem era um génio, sabia que a democracia cá não podia funcionar…). Para ele, o essencial da mudança ocorrida a 28 de Maio não era a chegada da «ordem» que vinha substituir a «desordem», mas sim a opressão que destruíra a liberdade. Quem a quiser elogiar por portas travessas que o faça. Não aprenderam nada com a história, simplesmente.
Conto que continue a não ser esse o seu caso, e continuarei a lê-lo a si e aos restantes amigos do povo.
CL
PS - Caso não seja claro, o título deste post remete para duas obras de Eduardo Lourenço, que não por acaso raramente são citadas. Censura do «politicamente correcto»? Só se incluir o de Direita e o de Esquerda.
PPS – Nem de propósito: hoje, VPV volta a baixar o nível, muito abaixo dos produtos contra a queda do cabelo. A República matou muito mais do que Salazar… Bem sei que a credibilidade dele como historiador já nem entre jornalistas pega, mas, se gosta de coisas destas, pode sempre reclamar-lhe números e documentos.



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?