ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

sexta-feira, julho 07, 2006

 

O papel do intelecto nos blogs (II)

Sobre o público que se criará, ou não, conjuntamente à alternativa que a net pode ser aos meios de comunicação dos últimos três séculos, aquilo que (me) parece mais problemático é algo que se detecta logo em quem escreve, e que é contrário ao tempo de discussão (não distanciação) próprio do trabalho crítico: um predomínio da sensibilidade sobre o intelecto.
Um aspecto evidente disto, e com o qual simpatizo sem reservas, é a música rock, ou pop, como se preferir. A presença da própria música e de referências mais ou menos claras a ela nos blogs é uma marca geracional, mas é de crer que terá mais importância do que apenas essa. Neste momento, o que se nota é o falhanço de tentativas de aggiornamento cultural da Imprensa para a net (caso de Pulido Valente), quando não de simples abdicação (Prado Coelho), e a fronteira pode bem ser traçada na capacidade de sentir, ou não, a música rock como algo natural, como «a nossa» música. De um modo geral, para quem está hoje acima dos 40 anos isso não é possível (há excepções, como o Rui Bebiano).
Quem espera criar na net uma alternativa e a «next big thing» pode ver nisso uma prova de o futuro passar por aqui. Mas a cultura pop, muito mais do que sucede com a boa música rock, é sobretudo imagem, avessa ao discurso, crítico ou não. Mesmo quem não seja catastrofista no que respeita «ao estado a que o ensino chegou» não pode deixar de pressentir aqui uma dificuldade para veículos de texto, como os blogs, poderem criar um público diferenciado das massas que procuram entretenimento. E mais ainda para quem queira fazer dos blogs os sucessores das funções intelectuais anteriormente reservadas à palavra impressa. Como ficou escrito na primeira parte deste post, não será impossível fazer num blog uma «visão do mundo» digna desse nome (embora seja muito complicado); mas ainda mais difícil será conseguir criar um público para ela.
A menos que se crie não um novo público pela via intelectual mas pela sensibilidade. Ou melhor, por uma nova relação entre as duas. Mas a «relação» é uma categoria muito complicada, como os intelectuais impenitentes devem saber.
CL



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?