ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

quarta-feira, junho 21, 2006

 

O Francesismo

Há semanas, na Casa Fernando Pessoa, Vasco Graça Moura, Maria Filomena Mónica, Clara Ferreira Alves, Gonçalo M. Tavares e Guilherme Valente falaram sobre os clássicos da literatura portuguesa e a importância de os ler e ensinar nos liceus. Para que é que servem os clássicos? Apenas para transmitir uma qualquer competência linguística? Ou porque aí são transmitidos alguns dos valores centrais das nossas sociedades? E que valores? Sobre isto ninguém ali se pronunciou, optaram todos pela ladainha do costume: o país analfabeto, as escolas inúteis, os professores ignorantes, os alunos uns selvagens sem remissão. Defendeu-se a política de terra queimada e chegou-se até (Maria Filomena Mónica, com um humor negro que não lhe conhecia) a defender o «fuzilamento» de todos os professores (o que motivou protestos, gritaria, saídas intempestivas dos professores ali presentes, e não eram poucos). Clara Ferreira Alves, a dada altura, referiu o caso francês como exemplar: nas escolas gaulesas os clássicos são de leitura obrigatória, lê-se, vejam só, Racine (porque rima com Graham Greene, presumo, vindo, como veio, da cabeça Ferreira Alves). Esquecida e enterrada aquela noite até ontem, lia eu a revista «L'Express» no bar Papagaio, algures numa praia algarvia. Logo no editorial, Denis Jeambar, o director, afirma: «Se o primeiro dever da República é oferecer a cada francês as duas bases indispensáveis ao exercício da cidadania - a leitura e a escrita - somos obrigados a reconhecer o fracasso.» E continua: «Situação intolerável, incompreensível mesmo, quando milhares de euros foram investidos no sistema educativo. A França consagra mais de 7% do seu PIB à formação dos seus jovens, um investimento superior à média europeia. São os programas e os métodos que estão em causa». À medida que avançava na revista, notícias várias dando conta de: 1 professor em cada 2 estima que os programas são «desadequados» para o ensino, mais não sei quantos professores agredidos nas salas de aula, agravamento da violência escolar, agressões, etc. Mas então e o Racine?, perguntava eu à minha perplexidade. Sem respostas, continuei a folhear a revista. Na página 15 esta frase: «os franceses têm por hábito denegrir a cultura francesa». Ora, ora... até nisso?



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?