ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

quinta-feira, junho 29, 2006

 

Humanidade sem ilusão

Soube ontem da morte de Martin Adler. Há vários anos atrás traduzi e ajudei a traduzir várias reportagens dele, nos mais diversos sítios, sempre publicadas na Grande Reportagem (durante a direcção de Francisco José Viegas). Nunca o conheci pessoalmente, só mantive alguns, poucos, contactos por mail. As reportagens estavam geralmente escritas num broken English que obrigava a reescrevê-las, e lembro-me que as últimas que me passaram pelas mãos chegaram às prestações, primeiro o fim, depois o princípio, a seguir o meio, enfim, ele claramente tinha demasiado trabalho, e trabalho demasiado exigente, para poder estar com formalismos de acabamento. Nesses contactos sempre foi cheio de humor e disponibilidade, nunca se julgou carapau de corrida nem se fez de esquecido a responder - um exemplo.
Morreu na Somália, o tipo de sítio onde ele costumava estar a trabalhar. As reportagens acabavam por ser quase todas do mesmo género: AK-47's, mortes, muita gente em muito mau estado, incerteza quanto ao desfecho de tudo... Agora, não havendo dúvidas quanto ao seu fim, tenho de novo pena de não poder ler sem algumas reservas O Futuro de uma Ilusão (Freud no seu melhor iluminismo) e a convicção no necessário desvanecer da influência religiosa. No caso de Adler parece que morreu às mãos dos Tribunais Islâmicos, que ainda há pouco tempo li (numa crónica de José Cutileiro no Expresso) também condenaram um homem à morte por facada mandando o seu filho de 16 ano executá-lo - o tipo de coisas que líamos nas reportagens de Martin Adler. Mas podia ser outro tribunal monotonoteísta qualquer, sempre que têm poder para isso nunca perdem a oportunidade de mostrar os seus pacíficos intentos. É isso que significa a paz deles, paz eterna.
Nas reportagens de Martin Adler não me lembro de paz, mas lembro-me da humanidade de quem as fazia. Qualquer leitor pode comprová-lo, se ainda conseguir encontrar uma Grande Reportagem.
CL



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?