ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

segunda-feira, abril 03, 2006

 
Pretendia eu, serenamente, retomar a actividade do Esplanar (parada durante algum tempo, por razões que só a mim dizem respeito), quando me cai em cima um Procedimento Cautelar. Uma pilha de papéis, perto de 100 folhas, remetidas pela 8ª Vara Cível de Lisboa. Como devem calcular, não é agradável. Só um cínico, e nestes dias conheci muitos, pode dizer que isso «é muito bom para ti». Pois não tem sido. Não me vou aqui lamentar de como a minha vida foi afectada, negativamente afectada, por toda esta agitação. E de como anseio (depressa, rápido, urgentemente) regressar à minha vida pré-Providência Cautelar. Muita gente, gente muito estúpida e muito orgulhosa da sua estupidez, diz que o que eu pretendo é ficar famoso. Esquecem-se que, não tivesse a Marca Registada e respectiva editora desencadeado todo este processo, e nada disto teria acontecido. Nada de jornais, nada de entrevistas, nada de televisão. Mas a partir do momento em que me vejo perante um processo de tribunal, é normal e é humano que me queira defender.

Há meses, algum tempo após a publicação, no Esplanar, do texto sobre a Marca Registada, o valter hugo mãe, que não conhecia, desafiou-me a editá-lo. Claro que eu disse que sim. Era trabalho meu, e que trabalho me deu, e toda a gente tem direito a essa pequena vaidade que é ser-se (e ver-se) editada (ainda hoje estou para perceber uma tirada do Professor Abel Barros Baptista, no encontro da Casa Fernando Pessoa, quando disse que nem toda a gente tem direito a ser editada; infelizmente, não fui esclarecido). Perante o convite, atire a primeira pedra quem não tivesse tomado a mesma decisão, ou seja, editar o livrinho. Só posso compreender a reacção de certas pessoas num contexto de inveja. No entanto, como disse o Francisco José Viegas no último texto da revista de sábado do DN, "uma coisa é ainda melhor se causar inveja em alguém".

Sobre o encontro na Casa Fernando Pessoa, algumas coisas a dizer. À esmagadoria maioria das pessoas, pelos vistos, o que interessa é a confusão e a contra-informação. Eu nunca jamais em tempo algum disse que não se deve escrever sobre amigos. O que eu disse, e que fique aqui bem claro e de forma categórica, foi isto: escrever sobre amigos que escrevem uns e outros NO MESMO LOCAL DE TRABALHO (ou seja, na mesma publicação, jornal, revista, etc) revela falta de profissionalismo e deixa-me suspicaz quanto à sinceridade da opinião. Estamos sempre, sublinhe-se, no contexto da crítica jornalística, de fora fica, por conseguinte, o ensaísmo literário académico ou outro.

Achei piada a alguns editores quando disseram que os textos escritos nos jornais não afectam as vendas dos livros. Gostaria então que me explicassem por que é gastam tanta energia a contactar jornais, a pedir espaço para os seus livros e, pior, a protestar quando as opiniões não lhes agradam. Já se passou comigo: um editor não gostou de um texto meu e, zangadíssimo, telefonou para o jornal, fazendo pressão, ameaçando, etc.

A crítica jornalística, em geral, utiliza termos abstractos (mas com uma aura técnica), termos opacos que permitem todas as interpretações. Por exemplo: José Mário Silva, na Casa Fernando Pessoa, veio outra vez com a história de que a crítica dele ao livro do Nuno Costa Santos era negativa. Para o justificar, referiu a expressão «poemas escritos no fio da navalha». No sábado, ao ler a crónica da Clara Ferreira Alves, sobre o último livro de Gabriel García Marquez, deparo-me com isto: «andar sobre o fio da navalha é o trabalho do génio». Repito: termos abstractos, opacos, passíveis das mais diversas e contraditórias interpretações. É assim que se faz uma carreira de crítico nos jornais.

É a última vez, juro-vos, que volto a falar sobre esta história dos amigos. Quem quiser continuar, por razões corporativas e outras, a afirmar que eu sou contra a escrita sobre livros de amigos seja em que circunstâncias for, está no seu pleno direito civil. Pela minha parte, já disse o que tinha a dizer.

Entretanto, como é óbvio, o Esplanar continua. Por vezes mais assíduo, outras menos, ou porque a vida não mo permite, ou simplesmente porque não me apetece. Quem me tem lido perceberá que muitos dos textos que aqui coloco são fruto de muito trabalho, horas e horas de leituras. E, sendo assim, não é fácil postar todos os dias. Além disso, há muitos textos que no final não me agradam e que, por isso, não conhecem a luz do blogue. A vossa paciência, portanto.



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?