ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

sábado, abril 29, 2006

 

Marta Hugon



Na 5ª feira, 27 de Abril, a noite de jazz no Maxime foi contagiante. A voz serena e límpida de Marta Hugon , mais intoxicante que o álcool em cima da mesa, revelou-se uma agradável surpresa. Conheci a Marta na Faculdade, numa roda de amigos do curso de Literatura (não me ocorre agora a designação correcta). Desde então, perdi-lhe o rasto, já lá vão seguramente mais de dez anos. Até que, na véspera do concerto, a Inês Hugon (editora da Tinta-da-China, com quem partilho um gosto imoderado pelos livros da Patricia Highsmith), me revelou a irmã, que me conhecia, que se lembrava de mim, e que ia cantar no Maxime.
No palco, a Marta cantou músicas do reportório clássico americano, como The Tender Trap (que dá título ao CD), Too Young to Go Steady ou I feel so Smoochie. A acompanhar, um trio de músicos fora de série. O piano fluente e empolgante de Filipe Melo, o contrabaixo de Bernardo Moreira (que ressoava na caixa torácica), a bateria ágil e magnética de André Sousa Machado. Quanto à Marta, só me ocorre uma banalidade: encantadora. Toda ela transmitia competência, a facilidade na pronúncia do inglês, a entoação vocal, natural como quem pensa em voz alta, a capacidade de tirar partido das coisas que diz. A tristeza vital em I Wish I Knew. O sentimento de proximidade em I Concentrate on You. A mágoa de uma alma não compreendida em In Love In Vain. A interpretação dos instintos amorosos em That Old Black Magic. O humano, demasiado humano, na fragilidade das emoções fortes em Old Devil Moon. A expansiva intimidade, irónica e divertida, em Too Close For Comfort.
Letras e ritmos que ora apaziguam a alma, ora reacendem o fogo. Ouvir a Marta Hugon, garanto-vos, é como um vírus mortífero que nos entra na corrente sanguínea e nos impressiona o coração: «you're actin' kind of smug/Until your heart just goes whap!» (The Tender Trap)



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?