ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

sexta-feira, janeiro 27, 2006

 

Correio das Leitoras

Caro João Pedro George:

Aqui lavro, veemente, o meu protesto. Não tenho tido um dia de descanso, desde que você, devidamente acolitado por um Pedro Mexia, mais uns engraçadinhos da blogosfera, decidiram dar à estampa pública as assanhadas descrições nascidas dessa mente tortuosa, que mete ao barulho sopas do mar, monstruosas erecções e uma quimera respeitável como a de Colombo.
Acontece, por infortúnio e coincidência, que me chamo Lena e o meu passaporte confirma: nasci na Escandinávia. Os genes, como se não bastasse, dotaram-me de características quase caricaturais. Leia-se: gosto de trazer o cabelo loiro comprido, o que o faz precipitar-se-me encaracoladamente sobre os ombros, e sim, apesar de não vislumbrar vestígios de chupeta nas pontas, os meus seios desafiam a elasticidade de qualquer tecido.
Que se passa, então, desde que iniciaram as graçolas? Não posso sair à rua sem ouvir dichote. Lambem-me com os olhos velhos na fila do supermercado, atiram-me indecências várias os trolhas nos andaimes. Senhoras respeitáveis, deambulando pela FNAC, medem-me as mamas com indisfarçável descaramento. Grupos de adolescentes borbulhentos ultrapassam-me no passeio, para se voltarem para trás e fingirem tossir, enquanto riem e gritam uns aos outros: sopa de peixe. Agora multiplique. Estamos a falar, é bom que não esqueça, de cerca de 70 mil exemplares vendidos, meu caro. And counting.
Acresce, se me permite, que você falha o essencial. O Codex apresenta-se como ficção histórica, definição que esconde veleidades de caução no real. Ora o que lemos cinge-se à mais pura inverosimilhança. Qualquer mentecapto percebe que Tomás, o garboso historiador, não é mais que um alter-ego de Dos Santos, disfarçado com a mesma eficácia dos pais de Woody Allen nas suas máscaras com bigodes em Inimigo Público. A ser assim, ler Tomás é ver Dos Santos. E aqui reside o embuste. Não será de admirar que, após a leitura atenta e assombrada das aventuras do historiador maroto, milhares de rapariguinhas a soldo dos primeiros desarranjos hormonais sintam com nova esperança aquele piscar de olho com que Dos Santos se despede de nós no Telejornal.
Puro engano, engodo feio. Pois aqui concordo consigo. O Santos, como o Miller e outros que tais, gosta de encaralhar no papel para esquecer tanta sarapitola angustiada. Vingança, talvez, de moças que fingiram gemer debaixo deles, perdem-se deliciados na imaginação de possuírem respeitosos pénis marmóreos, de avermelhados veios.
E, no entanto, parece que o vejo a brandir-me a minhoca em frente ao peito. Evito a punheta de mamas, que não gosto de apertar cabeças de dedal. E estou com a Anaïs. Não me quer parecer que adiantassem muito esforços de o abrigar cá dentro. Chame-me céptica, mas não pressinto por ali estocada que me faça cócegas no fundo da rata.
Não o maço mais. Mas culpe-se com o resultado. Vou cortar o cabelo pela orelha, tingi-lo de negro e responder Ingrid a quem me perguntar o nome. No meio de tanta mama, sopa, fremência de pénis, esporradela e idosos que me apalpam o cu de livro debaixo do braço, fiquei um bocadinho sem perceber: o Colombo era português ou quê?

Sua, Lena



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?