ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

segunda-feira, janeiro 30, 2006

 

Açorda de Caracol

Era de prever. José Mário Silva, entalado de suspiros, veio negar a realidade. Por outra palavras, toma-nos por parvos. A estratégia é a do costume nestas ocasiões: escandalizar-se com o escândalo. Porque, enfim, tudo não passa de uma teoria da conspiração. E ele, José Mário Silva, não percebe a razão de todo este «banzé». Mas vejamos, que esta farsa é demasiado obscena para ficar por aqui. José Mário Silva considera que não fez nada de grave e de indecoroso. Só ele é que não vê isso, até o seu colega de redacção, Pedro Mexia, admitiu o óbvio: «Em contrapartida, reconheço que não se deve escrever sobre um amigo próximo (acho que só o fiz uma vez, em 8 anos). O caso do Nuno Costa Santos é pertinente porque eu vou apresentar o livro dele (porque sou amigo dele) mas não vou escrever uma crítica sobre o livro (porque sou amigo dele)» (sublinhados meus). É daquelas coisas que se mete pelos olhos dentro. Se José Mário Silva não percebe esta regra elementar, tanto pior para ele. Mas JMS sabe-a toda, mariolas como ele sempre existiram. Não fosse o texto dele no DN e o livro do amigo (hui! hui! hui!) jamais teria esta exposição. Mais tarde ou mais cedo, Nuno Costa Santos pagará o favor. É só uma questão de tempo.
Em sua defesa, José Mário Silva reproduz o rodriguinho da amizade que deu origem à confusão. E para que não fiquem dúvidas, JMS sublinha duas passagens: «versos de um lirismo por vezes ingénuo» e «uma escrita arriscada e desigual, no fio da navalha, por vezes excessivamente rasa. Quase poemas de um quase poeta capaz de versos completos.» É de uma pessoa se esbandalhar a rir. Não percebi patavina. Perceberam alguma coisa? Responda quem souber. De resto, o que está em causa não é a profundidade da crítica. É o espaço que colegas de trabalho (e amigos pessoais) concedem uns aos outros no DN. São os textos sebáceos que uns e outros ejaculam uns para os outros. Quantas vezes será preciso dizer isto? E não se trata de caso único. Isto é prática corrente nos jornais portugueses, sendo o exemplo mais gritante o semanário Expresso. Estas coisas, lamento, mas são de fazer vomitar um caracol. JMS, por muito que isto lhe custe, fez asneira. E, em vez de reconhecer o erro próprio, ainda veio defender-se como se tivesse nascido ontem. Repito: o texto que José Mário Silva escreveu é sintoma de medievalismo e de oportunismo. Mais, denuncia a estrutura mental de um crítico que ainda não atingiu a idade de pensar. E mais não digo.



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?