ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

sexta-feira, novembro 18, 2005

 

Maria Filomena Mónica

Lida a brevíssima entrevista que Maria Filomena Mónica concedeu à Visão, por causa de Bilhete de Identidade, livro de memórias. A obsessão de aparecer, de se pôr em bicos de pés, de se colocar no centro de Portugal e das nossas atenções, a mania de que tudo o que escreve é muito importante e importantíssimo para Portugal. Repare-se na jactância implícita em “havia mitos que tinha criado sobre mim própria”. Note-se o emproamento em “a rebeldia é a minha característica original”. A soberba de “os portugueses não estão habituados a que alguém fale dos assuntos familiares com honestidade” ou “em Portugal ninguém fala disto”. Não fosse Maria Filomena Mónica e Portugal seria ainda mais pequeno e atávico. Provinciano e velho. Ainda aluna do Colégio das Doroteias, descobriu a pobreza: «(...) foi o facto de, já antes, as freiras me terem levado a ver pobres [repare-se na ausência do artigo definido]. Cada um de nós tinha que proteger uma família pobre e eu achava injusto que, na minha família pobre [repare-se na utilização do possessivo], vivesse um miúdo que não podia ir à escola no Inverno porque não tinha sapatos.» A partir daqui, a partir do momento em que Filomena Mónica passou um fim-de-semana “a ver pobres”, ai de quem se atrever a dizer que a Senhora Doutora não conhece a pobreza em Portugal, que não conhece a desigualdade social, que não sabe o que é não ter sapatos para abonançar o frio dos pés. Maria Filomena Mónica era o Vasco Pulido Valente sem a verve literária, apenas a retórica fácil do Portugal país pequeno, atrasado, mesquinho e quá quá quá. Agora, continuando a sua descida em direcção às profundezas da banalidade e das ideias fáceis, Maria Filomena Mónica transformou-se no José Saramago que nunca mais volta a Portugal se Cavaco Silva ganhar as eleições. Afirma a Socióloga: “Escrevi o livro como se não vivesse aqui e, se ele se revelar uma bomba, emigro”. É fantástico! Uma bomba? Um livro, o seu livro, as suas memórias serão assim tão despudoradas, tão bombásticas? O que estará lá? Vou a correr comprar. Mas antes pergunto: O que será de Portugal e de nós se Maria Filomena Mónica emigrar? Maria Filomena Mónica é tão decisiva para Portugal, os livros que escreve, tudo o que escreve, é tão fundamental para o nosso futuro e para as nossas vidas que não me atrevo sequer a imaginar. Arre! que já não há pachorra para os provincianos estrangeirados.



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?