ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

segunda-feira, outubro 17, 2005

 

Gente da minha geração

Pedro Mexia , João Miguel Tavares , Ricardo Araújo Pereira , José Mário Silva , Rui Tavares.Tudo gente da minha geração que leio com entusiasmo. Pessoalmente, e de passagem, conheço o Pedro e o Ricardo. Já o Rui conheço dos tempos da Faculdade e nessa altura pressentia já o que hoje não passa de banalidade: um escritor com ideias, dos mais consistentes da blogo-esfera. O José Mário Silva e o João Miguel Tavares conheço-os pelo que escrevem.
O Ricardo não precisa de elogios, todos lhe reconhecem o talento literário e a portentosa criatividade. Foi meu professor de escrita criativa, num curso do CEM (Centro Em Movimento), ali à Praça da Alegria. E embora me tenha demorado por lá apenas um mês, deu para lhe topar o sentido de humor e o pulso para a literatura. As crónicas da Visão, em geral, são entretenimento garantido, embora nos últimos textos pressinta o esgotamento daquela fórmula humorística: criticar às avessas, ironizar fazendo a apologia indecorosa de personagens e situações sociais mui pouco recomendáveis (sobre esta técnica leiam o prefácio à edição em papel do blogue Gato Fedorento, pela Cotovia).
O Pedro Mexia foi dos poucos que publicamente discutiram e comentaram a minha tese de mestrado, publicada na Difel como O Meio Literário Português. E com isso fez muito mais pela sua divulgação do que a própria editora, a esse respeito incompreensivelmente inepta e desmazelada. É o melhor cronista a escrever hoje na imprensa. Os textos da Grande Reportagem planeei há um ano publicá-los, quando me surgiu a oportunidade (não concretizada) de organizar uma colecção de livros com escrita da imprensa. A poesia do Pedro conheço-a mal (nunca me ofereceu um livro, parece que correm por aí rumores idiotas de que eu não gosto de poesia, embora, é verdade, não goste da má poesia). Folheei-a em livrarias e confesso não ter sentido adesão. Prefiro a prosa, em particular no género crónica (continuo na expectativa do romance em tempos anunciado). Aí encontro referências comuns, afinidades, interesses que em abstracto nos aproximam (e nos aproximam até mesmo quando dele discordo, como nesta última opinião em «A Crítica e o meio literário», secção Ministério da Cultura ).
O José Mário Silva e o João Miguel Tavares são descobertas mais recentes. Do primeiro aprecio especialmente alguns textos de crítica literária. Dele li algumas críticas exemplares, pequenas maravilhas da sensibilidade humana. Mais até, muito mais até, do que naqueles textos do DNA, feitos a partir de poemas (de que não gosto e cuja leitura, não raro, deixo pela metade). O João Miguel Tavares é um tipo muito perverso. Dos mais perversos que escrevem nos jornais. Lembro-me de um pequeno texto, poucos terão dado por ele, a propósito daquele filme (o último) do Cunha Teles, com a Marisa Cruz. Muito malicioso, muito venenoso. Na crítica social e política é dos jornalistas mais argutos e incisivos.
Quis escrever sobre pessoas por quem sinto genuína admiração intelectual. Talvez porque reconheço e aceito algumas críticas que me têm sido dirigidas por alguns leitores do Esplanar: raramente escrevo sobre pessoas que gosto de ler. Para aquele que aqui quiserem encontrar motivações subterrâneas ou duvidosas, aproveito um dos últimos posts do Pedro Mexia : “estamos sempre em julgamento / é uma maneira de ser livre”.



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?