ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

domingo, outubro 30, 2005

 

André Kertész, «Martinique» (1 de Janeiro de 1972)



André Kertész é um dos maiores fotógrafos do século XX. Esta é, para mim, a melhor fotografia do mundo. Kertész tirou-a em Janeiro de 1972, quando estava de férias nas Antilhas, juntamente com Elisabeth Sali, sua mulher desde 1933. A fotografia foi tirada na varanda do hotel. André Kertész nasceu em Budapeste, numa família judia, e morreu em 1985, em Nova Iorque.

Olho para a fotografia, que tenho reproduzida e pendurada na parede, mesmo aqui ao meu lado direito, junto à secretária onde neste momento escrevo. Aquela silhueta tanto pode ser de um homem como de uma mulher, embora a primeira hipótese pareça a mais plausível. E de que idade? Estará sozinho, estará acompanhado? Estará de férias ou assaltou um banco, fugiu aos impostos e exilou-se num paraíso fiscal? As perguntas poder-se-iam multiplicar até ao infinito, pouco importando as respostas. A força desta fotografia reside na incerteza, na instabilidade do nosso olhar mas também do olhar da figura, imóvel, que contempla o horizonte. A distorção visual induzida pelo vidro turvo que divide a varanda reflecte, creio, tal como nas paisagens românticas do século XIX, um estado de espírito abstracto e indefinido. O nublado do céu exprime a opacidade da alma. O chumbo do mar e, de uma forma geral, de toda a fotografia, evoca inacção, letargia, torpor. Aquela figura dificilmente estará a pensar no futuro, dificilmente estará a pensar no passado. Talvez sinta um vazio de pensamentos, uma inércia psíquica, provavelmente uma melancolia, uma nostalgia depois de uma noite de deboche, uma noite de sexo no lugar certo mas com a pessoa errada, junto ao mar. Apetece-lhe estar só, talvez nas costas dele esteja uma mulher, estendida na cama, à espera do pequeno almoço. O quarto estará desarrumado, as roupas sobre uma cadeira.



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?