ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

segunda-feira, abril 04, 2005

 

A Mafia Senta-se À Mesa

Don Genco Russo beijou a testa, o peito e os dois ombros do jovem Luciano Liggio, assassino dilecto da onorata società. Ao mesmo tempo, pronunciou as palavras sacrificiais: “Dou-te a vida do traidor, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, Amen”. O traidor era Dottore Navarra, chefe da família de Corleone, com o qual Genco Russo tinha contas a acertar. Sentou Liggio à mesa, onde estavam dispostos pão, sal, alho e vinho. Partiu o pão em seis bocados e esfregou-os no alho. Estendeu-os a Liggio e aos quatro guarda-costas presentes, guardando um bocado para si. Seis mãos mergulharam o pão num prato cheio de sal. Cada um comeu metade do seu pedaço de pão e bebeu metade do copo de vinho que tinha à frente. Dirigindo-se ao assassino, disse: “Vai, ficamos à tua espera para acabarmos esta refeição”.
No dia 10 de Agosto de 1958, Dottore Navarro vergou-se às balas de Luciano Liggio, que na noite desse mesmo dia regressou a Agrigento, o feudo mafioso de Genco Russo, para terminar a refeição iniciada na véspera. Segundo a terminologia da Mafia, o pão significa a união, o sal a coragem, o vinho o sangue e o alho o silêncio. A história é contada por Jacques Kermoal na introdução de A Mafia Senta-se à Mesa, uma antologia da cozinha siciliana recentemente publicada pela Teorema.
Para Kermoal, perceber a Mafia é conhecer o sabor do bife do lombo à napolitana que Lucky Luciano ofereceu a um jornalista ou reconstituir, com todos os seus condimentos, o cordeiro afogado em molho de anchovas do almoço de Frank Sinatra com Genco Russo. Sempre que é chamada a tomar decisões importantes ou a receber convidados ilustres, a Mafia reúne-se em torno de um guisado ou de um prato de macarrão.
1860, pleno Risorgimento, Garibaldi desembarca nas praias da Sicília. A memória dos sicilianos ainda hoje lembra o festim e os petiscos que celebraram a vitória do exército garibaldino sobre os soldados de farda azul celeste do rei de Nápoles, Francesco II. Nem no tempo dos Fenícios ou da ocupação árabe assistira a ilha a semelhante banquete. Havia muito, a Mafia preparava um golpe com o intuito de estender a sua influência a toda a Sicília. Pretendia acabar com o poder dos proprietários de latifúndios, os nobres que juravam obediência ao rei de Nápoles. A solução encontrada foi uma aliança com o rei do Piemonte, Vittorio Emmanuele, a braços com a unificação de Itália. À testa dos exércitos nacionalistas estava Garibaldi. Por que razão este interesse da Mafia pelo Piemonte? A resposta é simples: ficava distante da Sicília e era uma monarquia parlamentar. “Eleições?, isso fabrica-se!”, referiu então um padrinho.
No final do mês de Janeiro, os chefes mafiosos enviaram a Turim alguns “liberais sicilianos”. Foram recebidos pelo conde de Cavour, primeiro-ministro dos piemonteses, a quem ofereceram colaboração. Nesse encontro ficou delineado o desembarque dos exércitos de Garibaldi. O dia: 11 de Maio de 1860. O Libertador largou âncora na praia de Marsala, a ponta ocidental da Sicília, com perto de novecentos garibaldinos, todos de barba como o seu general e envergando camisas vermelhas e lenços verdes. A marcha sobre Palermo foi saudada pela população, no meio da qual se podiam distinguir algumas das velhas raposas da Mafia. Os palácios dos príncipes e dos barões tiveram de abrir as suas portas aos oficiais garibaldinos, que logo trataram de comemorar a vitória com as jovens sicilianas... Mas enquanto Palermo bebia champanhe, os capi apoderavam-se dos municípios e expropriavam a aristocracia. “Era todo um mundo que desaparecia”, escreveria Tomasi de Lampedusa em Il Gattopardo.
Garibaldi era um nacionalista ferveroso. Queria oferecer Roma, a cidade dos Césares, a Vittorio Emmanuele. Na opinião de Cavour, o entusiasmo do general começava a incomodar: “À custa das vitórias, esse cretino do Garibaldi ainda vai deixar a Itália na merda”. A conquista da Cidade Eterna podia coligar a Áustria, a Espanha, Portugal e a França de Napoleão III contra o Piemonte. Uma vez mais, a Mafia seria chamada a entrar em acção, preparando um almoço de digestão lenta aos soldados garibaldinos. A pândega foi tal que o Libertador aceitou prolongar em uma semana a sua presença na Sicília. O tempo suficiente para Bixio, outro general do exército piemontês, posicionar os seus homens ao longo da estrada de Roma e impedir a passagem de Garibaldi.
A refeição, servida ao ar livre perto das muralhas de Messina, no território siciliano onde o Liberatore havia iniciado a marcha vitoriosa, juntou mais de mil e duzentos convidados. A ementa é rabelaisiana: depois dos queijos de cabra e do pernil fumado, os comensais provaram as especialidades da região, peixe-espada “agghiotta”, pescada à moda de Messina, galinha-da-índia estufada recheada de trufas, perna de cabrito-montês faisandé com aguardente de ameixas de Agrigento e, por fim, borrego assado com azeite virgem de Caltanissetta. Tudo acompanhado de muita couve-flor, alcachofras e aipos cozidos a vapor.
Aqui fica uma das receitas:

Peixe-Espada «Agghiota» (6 pessoas)

1 kg de pescada branca 100 g de azeitonas brancas
1 kg de batatas 50 g de alcaparras
100 g de aipo picado 1 cebola finamente picada
500 g tomates pelados

Leve a dourar a cebola em meio copo de azeite. Junte os tomates sem grainhas, as azeitonas descaroçadas, as alcaparras e o aipo picado. Depois de tudo bem alourado, adicione um litro de água, onde deve mergulhar a pescada, as batatas às rodelas e cerca de 30 g de aipo picado. Deite sal e pimenta a gosto e junte um pouco de colorau. Deixe a cozinhar em fogo lento durante duas horas. Sirva numa travessa e, como dizia Eça, “louve Neptuno, deus dos peixes”.

Porque o peixe não deve ser deixado em doca seca, foi servido vinho branco muito fresco: Bazia e Gebbia. A acompanhar as carnes, dois tintos secos, Faro e Corvo. Para a sobremesa, gelados, soufflés, bolos armados, maçãs esventradas e a imortal “Pignolata”, um doce que merecia ser cantado por poetas:

Execução

Espalhe 1 kg de farinha e faça uma abertura no meio. Deite para lá 12 gemas de ovo batidas e um pouco de pingue. Misture tudo até obter uma massa consistente. Corte pequenos palitos da grossura de um dedo e 12 cm de comprimento. Leve a dourar no pingue, faça-os escorrer sobre papel absorvente e empilhe-os. Derreta lentamente 600 g de açúcar e 300 g de chocolate. Entorne a mistura morna sobre a pignolata.
Depois do penoso banquete, o general foi vencido no Aspromonte. É caso para se dizer, como a propósito do Império Romano, que Garibaldi “pereceu pela barriga”.

João Pedro



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?