ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

terça-feira, abril 05, 2005

 

A Mafia Senta-se À Mesa II


A segunda refeição passa-se em 1909, na Palermo das festas sumptuosas dos novos-ricos e dos aristocratas que sobreviveram à derrota dos Bourbons de Nápoles. No dia 12 de Março, Don Vito Cascio-Ferro, patrão incontestado em mais de metade da Sicília, foi almoçar a casa do deputado Onorevole Petrani, seu amigo e intermediário entre a onorata società e o governo italiano. Dois dias antes, Don Vito fora avisado da chegada de um tenente do FBI, Jack Petrosino, temível perseguidor dos mafiosos do Novo Mundo. O polícia americano acreditava que o aumento da criminalidade nos E.U.A. estava intimamente ligado à crescente emigração dos sicilianos. Entre 1901 e 1914, chegaram aos Estados Unidos mais de oitocentos mil sicilianos. Petrosino tinha sido responsável pelo repatriamento de diversos imigrantes ilegais. Entre eles contava-se Don Vito, que pertencia ao grupo de falsificadores detidos em 1903.
A chegada do americano coincidiu com a hora do almoço de Cascio-Ferro, entre o queijo de cabra de Caltanissetta e a cassata siciliana. Don Vito pediu licença a Petrani: teria de se ausentar por 20 minutos. Dirigiu-se para a Piazza Marina, no centro de Palermo, a cinco minutos a pé da residência do parlamentar. Quinze minutos volvidos, Don Vito afundava já a colher de sobremesa na cassata. Os dias de Petrosino tinham chegado ao fim com uma bala de pistola de cavalaria em pleno rosto. Recostado na cadeira do deputado, saboreou o café com pensativa lentidão e acendeu um charuto húngaro, manufacturado especialmente numa fábrica de tabacos de Budapeste. Nas cintas, o seu nome impresso: Don Vito.
Da ementa que presidiu a esse almoço privado constam algumas iguarias que nem o próprio Deus se permite comer. A arrancar a cavaqueira, dois antipasti caseiros: azeitonas no forno e feijões com hortelã. Seguiram-se os salmonetes com sementes de funcho e o borrego recém-nascido em molho com ervas das encostas vulcânicas, cujo sabor desliza suavemente para dentro da alma. Para culminar esta autêntica fisiologia do paladar, dois vinhos produzidos nas encostas do Etna, uma garrafa de Chianti e outra de Frascari. Como diz um velho ditado siciliano: “Provar uma gota de vinho do Etna é tão agradável ao coração do homem de bem como uma gota do sangue que corre nas veias do seu inimigo”.

Eis uma das receitas:

Salmonetes com sementes de funcho (6 pessoas)

12 salmonetes grandes das rochas
1 colher de semente de funcho
1 colher de salsa picada
150 g de toucinho
azeite
sumo de limão
sal
pimenta

Para saber como executá-la, prestemos atenção a Martine Batolomei:

“Depois de amanhados e lavados, tempere os peixes com o azeite, o sumo de limão, sal e pimenta, mais as sementes de funcho pisadas, a salsa e o toucinho cortado aos cubinhos. Prepare folhas de papel untado e, em cada folha, disponha dois salmonetes assim temperados, com a gordura do toucinho. Feche o papelote e leve à chapa ou à brasa durante cerca de 20 minutos”.
João Pedro



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?