ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

quinta-feira, março 03, 2005

 

Za

Conheci-o numa mesa de café. Gostaria que tivesse sido noutro lugar, numa praça, numa rua, mas era o Caffé di Roma do Colombo. Tudo bem. Eu lanchava com uma amiga que morava por ali e ele estava na mesa ao lado, de cabeça baixa, sobre um livro que não reconheci, no pudor de olhar demais e lembrar a dona de casa perplexa diante da estrela da novela. Dali a pouco, entrava mais um rosto familiar. Eu regressava da caixa, guardando o troco na carteira onde ainda estaria o bilhete de algum jogo, e vi-os cumprimentar-se. Jorge Cadete seguia para uma mesa ao fundo e ele deixava-se estar uns segundos mais de face levantada antes de voltar à leitura. Era a minha chance. Com a mesma discrição do ponta-de-lança, cumprimentava-o com um murmúrio e um leve baixar de cabeça. Ele respondia do mesmo modo, por cortesia. Voltei-me, saí e disse para a Rita: “É o Zahovic…”
Sei que isto me deveria ter passado na adolescência, mas, mesmo hoje, não o lamento. Lamento não ter dito mais. Que Quinito estava certo quando o preferiu no Guimarães ao Giovanni que brilharia em Barcelona para logo se eclipsar. Que nunca esquecera o golão do meio da rua que fizera ao Porto. O modo como, já nas Antas, controlava sozinho a fúria dos companheiros a qualquer decisão contrária do árbitro. O radiante que fiquei quando veio para o Benfica; ver a camisola 10, enfim, com dono à altura. O início de todas as épocas, quando sonhava que desta é que era. E seria ele a carregar às costas a equipa até ao título.
Hoje, ter-lhe-ia de dizer também que falhou. Que poderia ter sido muito maior. Mas que passarão anos até que venha outro jogador tão inteligente, tão elegante, que me dê tanta vontade de conversar, à mesa de café, sobre a táctica para o próximo jogo e os livros que andamos a ler.
Alexandre



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?