ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

quarta-feira, março 02, 2005

 

Um bom dia para morrer

Não acompanho o motociclismo nem o Dakar. Aliás, vendo bem, não acompanho qualquer desporto motorizado desde que Eddie Lawson e Alain Prost abandonaram, à vez, as suas carreiras. Fabrizio Meoni é, portanto, um nome que pairava naquela vaga nuvem de palavras que já ouvimos, mas a que não vem anexada qualquer imagem. Até ontem.
Não sei se ele era boa ou má pessoa, divertido ou soturno, se tinha cinco filhos a quem ensinou a andar de bibicleta ou era, pelo contrário, um misantropo crónico. Não faço ideia. Mas acredito que morreu como gostaria de morrer. Pilotando uma moto, durante a prova que ganhou por duas vezes, a meio do deserto que conquistou também nas areias do Egipto e da Tunísia. Porque é assim que se deve morrer, sendo fiéis a nós próprios, morrer como se viveu e não apodrecendo na cama de um hospital qualquer, esquecidos do que fomos, com tempo demais para para pensar naquilo que se falhou.
Vêm, de imediato, à memória, Ayrton Senna, ao volante do seu fórmula 1, em San Marino; Mikklos Féher, na frente de ataque do Benfica, em Guimarães; Mark Sandman, vocalista dos Morphine, caído em palco durante um concerto na Holanda. E a frase com que a personagem de Kiefer Sutherland abre, diante de uma manhã gloriosa, o belo “Flatliners”, de Joel Schumacher: “Hoje, é um bom dia para morrer.”
Também não vi jogar Cavém, excepto, talvez, nas imagens documentais da década de 60 que todos revemos quando se quer homenagear o futebol português. Mas lamento que um bi-campeão europeu, nove vezes campeão nacional, quatro vezes vencedor da taça de Portugal, tenha de ser levado pelo Alzheimer, de uma ala do Hospital de Leiria. A única forma justa deste homem morrer era erguendo uma taça.
AB



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?