ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

segunda-feira, março 07, 2005

 

Tempo de antena do individualista

A propósito da campanha eleitoral, voltei a recordar-me disto: de como há muito tempo perdi a fé em qualquer projecto político. Deve ser por isso que me dizem que sou de direita, mas não sei se concorde. Não pertenci a uma só associação de estudantes, a qualquer conselho, nunca fui militante de coisa nenhuma. E nem me lembro de um momento concreto de decisão, pelo que, creio, já devo ter nascido céptico e individualista.
Ao mesmo tempo, se olho em volta, parece-me que não sou caso único, não a excepção, mas a regra, a amostra de uma geração que já pouco acredita e sintoma que anuncia a seguinte, hoje adolescente ou lá perto. Essa, temo bem, não tem mais fé que na passagem de nível do jogo de consola ou na ilusão de realidade que lhe dá um computador, não se apercebendo sequer de que, no limite, não passam de corpos sozinhos, encerrados num quarto, olhando uma caixa, por vezes 16 horas por dia, como tem sido testemunhado por alguns “casos reais” em reportagens que vão passando, disfarçadas de inocuidade, pelos noticiários.
A fé que me ficou tem a ver com a pele e a parte de universo que ela é capaz de tocar, ao longo do seu período de vida. Pele, desejo e medo, pouco mais - o suficiente.
Quanto a projectos colectivos, não obrigado. Não acredito em grupos com mais de três ou quatro amigos e naquilo que eles possam conseguir. O resto acaba, de modo inevitável, em desilusão. São os desencontros de opiniões, as decepções com os carácteres, os conflitos, o choque dos interesses, a inveja, a competição, a traição, aqueles que sobem na vida deixando-se ser puxados pelos braços do único idealista que existe em todas equipas.
Sim, amigo leitor, já nasci velho e pouco sonhador. O mais esquisito é que ainda acredito no Benfica.
Alexandre



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?