ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

quarta-feira, março 30, 2005

 

So mais uma coisa...

Antes de abandonar, por uns tempos, a política como prato principal destas crónicas, há ainda mais uma coisa a dizer.
Seria bom que os pequenos partidos reconsiderassem o seu papel, a sua capacidade de representação do eleitorado, o que andam, enfim, aqui a fazer. Aconteceu que, nas eleições, o branco foi elevado a sexta potência política nacional, com 103.555 votantes. O Partido da Nova Democracia teve, por exemplo, cerca de 40.000. E já nem falo no MRPP de Garcia Pereira, que parece ter comprado lugar cativo na plateia do espectáculo político em Portugal – é uma espécie de apaixonado pela arte da representação que vai a todos os castings, mesmo que nunca ninguém lhe dê um papel.
Muitos censurarão o voto em branco; acharão que é uma demissão das suas responsabilidades por parte do cidadão. Mas há uma grande diferença entre quem se abstém e quem vota em branco e, nesse sentido, Saramago tinha, por uma vez, toda a razão: quem se abstém, está-se nas tintas, goza o domingo, acha que já sabe quem vai ganhar, não vê razão para sair de casa; quem vota em branco, dá-se ao trabalho, perde o domingo, sai de casa, vai para a fila, agarra no papelinho com as opções disponíveis, dobra-o, entrega-o. Diz: nenhuma serve. Mais: sabe, à partida, que esse trabalho a que se deu, de nada servirá. É por isso que é um gesto tão nobre. Afinal, qual é a dignidade do voto útil, de eleger o menos mau?
Proponho uma Assembleia em que sejam considerados os números de votos brancos. Se forem suficientes para eleger deputados, lá estarão eles, os lugares vazios, retirando vagas para os outros. Representando menos um ou dois ou três ordenados porque, afinal, foi essa a vontade do eleitorado. Além de ser mais democrático, talvez aí, o resto do pessoal comece a pensar se não estará na hora de mudar a sua maneira de fazer política.
Alexandre



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?