ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

quarta-feira, março 09, 2005

 

Os protagonistas da Historia

Habituámo-nos a acreditar numa certa invisiblidade do poder. Ele escapar-se-ia, cada vez mais, das nossas mãos, do alcance das nossas decisões. Pensamos na globalização e no controlo da diplomacia, das organizações internacionais, dos negócios estrangeiros; percebemos o poder das grandes empresas privadas e das suas administrações; somos assaltados pela ideia de que há tramas e acordos, conspirações por debaixo da mesa, interesses - uma palavra amada por todos os participantes dos “fóruns” promovidos pelos media nacionais - “interesses” instalados, o “sistema”, os “eles” que são quem manda.
A pouco e pouco, achámos ingénuo continuar a acreditar que os homens e mulheres que votávamos em eleições livres e democráticas seriam aqueles que, de facto, comandariam o nosso destino, os destinos do mundo. Mais não eram que testas-de-ferro, fantoches, figuras capazes do diálogo e, enfim, de saber estar, enquanto os verdadeiros decisores punham e dispunham conforme mais lhes conviesse.
Esta suporta perda da inocência do cidadão é, estou em crer, a grande causa do desinteresse pela participação nos actos eleitorais. Parece-lhe inútil, inglório, de fachada.
No entanto, os últimos anos do mundo têm provado o contrário: que os protagonistas da História continuam a existir, com rosto e nomes próprios, não se diluindo na mancha nublosa e informe do (mal)dito “sistema”. Veja-se o que a contemporaneidade mudou por uma simples troca de Clinton por Bush; veja-se como uma sangria de três décadas se silenciou posta a morte de Savimbi; coloquem-se, agora, os olhos e a esperança no aperto de mão entre Abbas e Sharon, sob a campa de Arafat.
Quero crer nisto: nos casos de acerto e nos de erro, fomos ainda nós os responsáveis pela escolha. E que um homem sozinho pode mudar a face da Terra.
Ou então nada disto vale a pena.
Alexandre



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?