ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

quarta-feira, março 30, 2005

 

Os dias do Bloco

O Bloco de Esquerda é um fenómeno interessante: nasce da união de três forças políticas com pouca ou nenhuma expressão e transforma-se, desde o primeiro dia, num partido com público. Tem este nome – Bloco – e funciona como tal. Desde que nasceu até hoje, nunca se ouviu falar de qualquer discordância entre PSR, UDP, Política XXI. À medida que vai chegando gente nova, nem se põe o problema: são militantes do Bloco, não de nenhuma das facções. Não perde votos; pelo contrário, vai crescendo de eleição em eleição, como um organismo biológico. E salda-se como a força política que mais cresceu nas últimas legislativas.
Mas o Bloco é, creio, algo que implodirá pela sua própria definição, ou melhor, pela falta dela. O Bloco não é uma tábua de valores nem tem verdadeira representação social. À parte os jovens de hoje, entre os 18 e os 20 anos, que crescerão, inevitavelmente, mas que, por hora, se vestem com as roupas uns dos outros e gritam aquilo que os jovens de todas as sociedades gritam – anarquia, amor livre, abaixo o sistema – quem representa o Bloco?
A auto-destruição teria sido mais rápida caso ascendesse, agora, ao poder, se o PS não obtivesse a maioria absoluta e, num momento de loucura, se decidisse por uma coligação com o partido de Louçã. Porque o Bloco não existe sem manifestações, cartazes, sururu (como eu gosto desta palavra de origem zulu). E, sobretudo, porque os seus jovens barbados não seriam capazes de realizar a revolução: então o sistema contra o qual se levam era, agora, encabeçado pelos seus?
Mas a detonação acontecerá, de qualquer maneira. Afinal, que partido sobrevive sem ideologia? No dia em que aborto, casamento entre homossexuais e consumo de drogas forem liberalizados, o Bloco deixará de ter por que gritar. E quem não tem por que gritar, silencia-se. E quem se silencia, deixa de existir.
Alexandre



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?