ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

terça-feira, março 15, 2005

 

A orfandade

Só um país a viver a solidão da orfandade pode explicar a paixão com que se tem seguido o percurso de José Mourinho, um treinador de futebol que, por mais brilhante que seja, é apenas um treinador de futebol.
A início, dizia-se, por piada, que ele é que daria um bom primeiro-ministro; agora, quando tornam a lançar para a fogueira a hipótese absurda, já ninguém se ri. Há, antes, uma anuência. Se calhar, até nem era má ideia…
O problema é que Mourinho se trata, obviamente, de um caso clássico do indivíduo que, em terra de cegos, dispõe da extraordinária faculdade de ter um olho. Ou mesmo dois. É inteligente, competente e até o anuncia, de antemão, ao mundo. É, no fundo, a figura mítica do herói cinematográfico: “here he comes to save the day”. Com ele, não há erro. Se temos um problema, chamamos o Mourinho. Ele, de certeza, não falha.
E essa é a questão. Os portugueses estão fartos de falhanços. De gente que, no momento certo, erra ou, simplesmente, não comparece, se acobarda. O fascínio que Mourinho exerce sobre Portugal é o mesmo que um pai tem sobre o filho ainda criança; do mestre sobre o discípulo; do especialista no aprendiz; do carismático líder do grupo de amigos sobre este.
Como de outros prismas, também deste se consegue fazer uma leitura de Portugal enquanto adolescente à procura do seu caminho. À falta de confiança própria, precisa de se resguardar detrás de quem a tem para dar e vender, o leve pela mão a bom porto. Por isso, nesta semana decisiva, o Governo decide anunciar uma condecoração, com o Colar de Honra ao Mérito Desportivo, a José Mourinho. Porque é o seu único vencedor. O único português que parece saber o que faz. E só é pena que o mundo não seja uma bola de futebol e as finanças públicas se salvem com um losango a meio-campo e gritos, antes da final, de: “Quem somos nós? Portugal! Portugal! Portugal!”
Alexandre



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?