ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

quarta-feira, março 30, 2005

 

O turno da noite

Estaria a escrever un guião para qualquer coisa, numa daqueles noites de clausura em que os relógios funcionam como cronómetros, andando de modo decrescente até ao amanhecer, quando o dia seguinte começa e termina o prazo dado para a entrega daquele trabalho particular. Enchemos a secretária de bens de primeira necessidade (maços de cigarros, cinzeiro, copo e garrafa de qualquer coisa, pacotes de bolachas que nos segurem à vida; a almofada na cadeira que impeça dores lombares até ao ano seguinte; e esse relógio-cronómetro que não nos perca da realidade). Nem um olhar para a cama aberta - nem pensar em cair em tentação.
Já devo ter feito centenas de noites destas. São tão familiares como beber copos com os amigos ao sítio do costume, tal modo que já sinto agrado quando me preparo para enfrentar uma nova. Os guiões, os textos, os livros, as ideias para a reunião, a sinopse, o projecto - termos comuns no léxico de quem anda nestas profissões de escriba, todas elas anexas a essoutra expressão: “prazo”. Ou, na versão integral: “prazo de entrega”, “data de entrega” - “deadline”, como se usa, cada vez mais, no ameaçador modo anglo-saxónico.
Por isso, dou comigo a agradecer a televisão por cabo. Não que me possa dar ao luxo de olhá-la nestas noites, mas porque, assim, sei que mais alguém está acordado, mais alguém trabalha noite fora e desafia o correr lento da madrugada. Apetece espreitar o ecrã e piscar o olho com cumplicidade. “Também eu estou por aqui, amigo”; “vamos enfrentar isto juntos”; “força, companheiro”.
Por isso, camaradas da SIC Notícias, esta crónica é-vos dedicada em particular. Na próxima noite de corrida contra o tempo, façam o favor de piscar o olho também, entre uma notícia e outra. Aqui estarei, deste lado, com uma mão no teclado e a outra no balde de café, a acompanhar-vos no turno da noite.
Alexandre



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?