ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

terça-feira, março 15, 2005

 

O silencio a meio do ruido

Se o sucesso político se faz de uma boa gestão dos silêncios, como cada vez mais se defende e regista por aí, então, Jerónimo de Sousa está lançado. A sua prestação no momento decisivo (tanto quanto há ainda algo a decidir), no único debate entre todos os líderes dos partidos com assento parlamentar, foi de uma virtude e de uma invenção há muito desaparecidas da cena política nacional. Santana, perto dele, é um menino de coro. Ainda tem tudo a aprender sobre a arte da auto-fragilização. Bem apregoou que andava com gripe, mas ninguém lhe notou a rouquidão da voz, a palidez da pele, o recuo para além do que mostra a pantalha televisiva.
Acredito, como é óbvio, que Jerónimo estivesse genuinamente doente e que tenha sofrido com a situação e passado a noite em claro massacrado pelo embaraço: sangrar diante do inimigo - a violação de uma regra básica em qualquer combate. Falhar no Dia “D”. Maldita gripe! Maldito azar!
E, no entanto, se este debate será recordado pelo futuro, sê-lo-á, seguramente, por este acontecimento. E, se a CDU não conquistou aqui alguns votos, ganhou, por certo, uma simpatia por que já ninguém esperava. É o lado materno do ser humano, a piedade, o compadecimento.
A verdade é que Jerónimo soube aproveitar-se da situação: “Falta-me a voz, mas não a esperança”; “Se não conseguir dizer mais nada, que diga, ao menos, isto” - palavras que soube arquitectar e deixar no ar, antes do abandono da emissão. E ainda obrigou os adversários a gastar preciosos segundos dos seus discursos finais com referências a si, à sua debilidade física e aos desejos de melhoras.
Se não estava doente e tudo não passou de uma encenação, então, ainda merece maior aplauso. Jogada de mestre. E, afinal, como acrescentaria Aristóteles: “Se o que vais dizer não é mais belo que o silêncio…”
Alexandre



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?