ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

sexta-feira, março 04, 2005

 

O pulha

O facto:
“Você assistiu às catástrofes na Ásia… Infelizmente, há por todo o lado muito mais desgraça humana do que aquela que você viu. Ainda consegue ficar indiferente. O seu pequeno gesto significa muito para nós.” É o que diz um pequeno bilhete afixado em várias caixas multibanco da Praça Duque de Saldanha e Avenida da República, seguido de um número de identificação bancária destinado a receber as transferências dos donativos.
O embuste:
Um jornal experimentou efectuar um depósito e, no talão recebido, constava o nome do titular da conta e um número não correspondente a qualquer uma das reconhecidas oficialmente pelo Estado para a ajuda às vítimas do tsunami. Trata-se, na verdade, de uma conta vulgar, aberta num balcão de Almada da Caixa Geral de Depósitos por um indivíduo de 36 anos. Banco e Polícia Judiciária estão já a investigar.
O pulha:
O canalha. O filho da puta. O miserável. O cobarde. O fraco. O esterco. O animal invertebrado que fez isto e que só por acaso poderemos confundir com um homem. Que sabe que 280 mil pessoas morreram numa das maiores catástrofes de sempre. Que meio milhão de pessoas tenta sobreviver em campos de refugiados inventados à pressa possível. Que viu, sentadinho no seu sofá, em frente à sua televisãozinha, os corpos desfeitos, as cidades destruídas, as crianças perdidas dos pais, países inteiros da vontade de viver, e pensou, certamente radiante com o seu génio, que estava ali uma boa oportunidade de safar a sua vidinha.
O convite:
A todos os leitores. Decidam-lhe o castigo que merece. Consigo pensar numa série deles, mas creio que a lei portuguesa não permite nenhum. E que um dia destes lhe conheçamos o nome e o rosto, para que apodreça de vergonha cada vez que for olhado.
Alexandre



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?