ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

quinta-feira, março 31, 2005

 

O principio do Socratismo

Justiça lhe seja feita: Sócrates começa bem. Se, depois de ganhar as eleições, proferiu o discurso de vitória mais redudante e polvilhado de lugares-comuns da História do Homo Sapiens Sapiens, a partir daí parece ter acertado o passo. Antes de mais, soube cumprir a sua primeira promessa: escolher o elenco governativo em regime de total confidencialidade. Mostra eficiência e, sobretudo, inteligência porque, assim, ninguém poderá partir do preconceito com que muito padeceram os governos anteriores, de que eram segundas e terceiras escolhas e por aí adiante. Depois, rodeia-se de um número restrito de ministros; equilibra socialistas e independentes; captura Freitas do Amaral e deixa de fora a “tralha” que lhe parecia ser assustadoramente próxima (vide José Lello e Edite Estrela, por exemplo).
Sobretudo, fica desfeita a suspeita do grande perigo que adviria de um regresso do PS ao poder, precisamente aquela com que tanto acenou o PSD de Santana Lopes: o retorno dos rostos que precipitaram o País na crise. É claro que está aqui gente de Guterres, mas está a melhor: António Costa, Alberto Costa e Mariano Gago, por exemplo (se bem me lembro, o único ministro que sobreviveu às 4.237 remodelações desses governos da era da rosa). O “guterrismo”, de resto, é um mito, uma coisa que não existiu; utiliza-se a palavra apenas por comodismo de linguagem, assim como não houve um “barrosismo” (começou por ser um ímpeto reformista, mas jamais chegou a concretizar-se) ou, muito menos, um “santanismo”. Os últimos governos foram de uma fragilidade angustiante, não foram programáticos, não merecem os “ismos”. Este, faça-se-lhe a vénia, pelo menos começa com sinais de força. Esperemos, para bem de todos, que seja apenas o princípio do “socratismo”.
Alexandre



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?