ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

terça-feira, março 15, 2005

 

O novo primeiro-ministro

Quanto a Santana Lopes, estamos conversados; já tem sido autopsiado que chegue. Passemos a José Sócrates, o mais que evidente novo primeiro-ministro de Portugal.
As eleições costumam, apesar do desencanto crescente, encerrar um certo capital de esperança. Mas, este ano, o único ímpeto ao voto que se vislumbra tem outro nome: decepção. Com Santana, Durão, o PSD, talvez o PP. A energia que tirará de casa os portugueses no domingo é negativa, corrosiva, de morte. Dirige-se ao que acaba; não ao que começa.
E, ou vem por aí uma grande surpresa, ou José Sócrates não é o homem que mudará esse sentimento. A sua persona nada tem a ver com positividade, esperança, sonho.
Por isso e enquanto não é eleito e se oferece, assim, ao sacrifício público pelos colunistas do país, permitam-me que atire, já, as primeiras pedras:
1. Sócrates não sorri. Ao pé dele, Paulo Catarro é uma espécie de “smiley”.
2. É evidentemente vaidoso. E como convence o povo um vaidoso, alguém que se preocupa demasiado consigo e a sua aparência, de que a sua grande preocupação são os problemas dos outros?
3. Tem um tom de voz que não lembra ao Diabo e que, sobretudo, não tinha no tempo em que era ministro do Ambiente. Se qualquer um de nós aterrasse, agora, em Portugal, acreditaria em Santana. Jamais em Sócrates.
4. É, como dizia, há dias, Nuno Costa Santos, metálico. A expressão, o cabelo e os fatos platinados mais parecem do serial killer interpretado por Tom Cruise em “Colateral”.
5. É frio, calculista, estudado. Isto é, até poderá vir a ser admirado, mas nunca apaixonará ninguém.
6. Parece incapaz de perceber que tem de se distanciar de Guterres. E trocar a música de “1452” pela de “Gladiador” não chega.
A ver vamos, mas, ou muito me engano, ou não será nos próximos quatro anos que Portugal deixará de ser sorumbático.
Alexandre



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?