ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

terça-feira, março 29, 2005

 

O fim do romance

Só posteriormente notei que, na nossa edição de domingo, dia de eleições [A CAPITAL de uns já idos de Fevereiro], ainda por cima, uma classe de pessoas dominava o jornal e não era, surpresa das surpresas, a classe política. Da página 4 à 12, estendíamo-nos por uma conversa singular entre Pacheco Pereira e Eduardo Lourenço. Pouco depois, no balanço da semana cultural, dois nomes pairavam sobre os dias: José Gil e António Franco Alexandre. Que une todos eles? A Filosofia. São todos filósofos, portugueses, contemporâneos, de méritos reconhecidos. Algum deles tem poder? Poder real, efectivo, imediato, pragmático? Não. Zero. Todos são professores, escritores, livres-pensadores, como agora se diz.
Por um lado, muito me honra que tenhamos sabido estar atentos à importância destas figuras. No mesmo sentido, alegra-me que quatro filósofos sejam tão relevantes e dignos de louvor e atenção pública. Por outro, tomo, de modo inadvertido, mais um banho de realidade: a filosofia, o pensamento livre, a reflexão pura, distanciada do mundo, não tem lugar nas cadeiras do poder.
O sonho platónico do rei-filósofo morreu com o sangue da Revolução Francesa. Depois de Kant, só Hegel foi capaz de ainda delirar com a ilusão de que as sociedades, alguma vez, seriam comandadas pela pura razão e, desde logo, pelos homens mais capazes dela.
O tempo seguiria outros caminhos. A filosofia não põe pão na mesa – pois claro que não – essa é a sua maior virtude: não servir para rigorosamente nada em concreto, porque deveria servir todos e estar inscrita na génese de todas as coisas.
Mas o mundo não compreende isto. Como Nietzsche, símbolo dos desiludidos, bem escreveu, é a vontade de poder que movimenta o devir. E os sábios sempre desprezaram o poder. E o poder sempre gostou de sábios para servir de bibelot, colocados na estante, para aparecerem atrás de si, nas fotografias.
O resto, caro leitor, é conversa.
Alexandre



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?