ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

segunda-feira, março 07, 2005

 

O elogio do funcionario publico

Entre nós, o funcionário público ganhou pior nome que o árbitro, o polícia, o político. Ao ouvir qualquer destas palavras, já não há quem não franza, de pronto, o sobrolho, mas na conjugação “funcionário público” ou “função pública”, o movimento é acompanhado de uma vaga verbalização: “Tssss…” ou “Txiiiii…” ou mesmo “Hi-hi…”. Experimentem apresentar lá em casa o novo candidato a genro ou a nora: “Papá, Mamã, esta é a Cláudia. É de boas famílias, funcionária pública…” E o sogro logo dirá, virando a cabeça, de novo, para a televisão: “Txããã…”, enquanto a sogra se afasta, estrategicamente, para a cozinha.
A verdade é que nenhuma criancinha responde “Funcionário público!!!” à pergunta pelo que quer ser quando for grande. Mais depressa dirá taxista, obstetra, engenheiro do papel. E essa é, amigo leitor, uma cruel maldição que recai sobre toda uma classe. Será justa?
Creio que não. Há uma audácia perfeitamente notável no funcionário público que temos de respeitar. Só o percebi há dias, esperando ad aeternum num Centro de Saúde. A sala de espera estava cheia e não porque os médicos se demorassem ou os doentes quisessem, à força, contar-lhes a sua vida desde pequeninos. Estava cheia ainda antes da inscrição para a consulta porque a senhora da recepção precisava de 15 minutos para passar um talão e receber 2 euros de taxa. Chegada a minha vez, ignorei a cadeira que lá estava e deixei-me ficar de pé. E, perante o coro de protestos que posseguia do lado de lá do vidro, a senhora disse, corajosamente “Sente-se. Não se despacha mais depressa por ficar de pé.” Não moveu um músculo do rosto, não se escondeu atrás do computador, a voz não lhe tremeu o que quer que fosse. Isto tem de ser admirado. Quantos políticos, actores e treinadores de futebol não gostariam de ter este poder perante as massas em fúria?
Alexandre



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?