ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

quinta-feira, março 31, 2005

 

Nao ha portugueses

Dias atrás, recebia uma carta de uma amiga mexicana em que, posta em dia a conversa sobre as nossas coisas do costume (a poesia, o projecto comum em que estamos a trabalhar, o estado de saúde do filho e por aí afora), dedicava largos parágrafos à situação económica do seu país. Dizia que o México vive um momento muito difícil e que, por isso, a sua vida estava mais complicada: trabalhava a dobrar, esforçava-se como nunca, tinha muito menos tempo para si, para a família, para os livros. E, assim como ela, também Octávio, o marido, os amigos, os vizinhos e todas as pessoas que conhecia. Terminava, desse modo, a carta. Mais que as despedidas e os pedidos de resposta rápida, os beijos, abraços e “post scriptums”, falava desta tristeza e da esperança que lhe sucede: a Jeanne, como todos os mexicanos, empenhava o seu tempo e o seu esforço em prol do país porque, se a vida lhe era mais difícil com o Estado debilitado, seria, certamente, mais fácil com um Estado fortalecido.
Nunca ouvi falar de nada semelhante em Portugal. O desemprego aumenta, a dívida externa, os preços sobem, os impostos, o poder de compra diminui, o País perde dnheiro, apoios, fica a falar sozinho, cada vez mais sozinho, fraco e pobre. Alguém diz que vai sacrificar a sua vida por isso? Trabalhar mais para que a produção nacional suba e, por consequência, a sua vida melhore? Não. Nem nos passa pela cabeça. Queixamo-nos, eventualmente tentamos poupar e sentamo-nos, esperando dias melhores, que venha aí um novo governo que resolva todos os nossos problemas para que compremos aquela casa ou troquemos de carro ou façamos, enfim, aquelas férias no Brasil.
Se Portugal fosse uma equipa de futebol, lutaria para não descer. Teria um daqueles balneários frios em que ninguém fala com ninguém e se troca de treinador compulsivamente, à espera que um milagre lhe caia nas mãos.
Alexandre



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?