ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

quarta-feira, março 30, 2005

 

A missao

Andei o ano passado a dar um pequeno curso de literatura portuguesa contemporânea a alunos do secundário. Aos meus ainda-mais-jovens-que-eu alunos, tentei passar o pouco que sei. E, mais que a leitura e estudo das três obras que haviam escolhido, tentei concentrar-me num esforço: se estavam ali, mais certo que quererem ser leitores era o desejo de crescerem escritores. Na última aula, coroando breves monólogos sobre o assunto, ao terminar de cada sessão, ofereci-lhes uma lista de máximas, conselhos aos jovens artistas, compendiada por um grande amigo, a que me limitei a acrescentar duas ou três ideias pessoais.
Uma delas, recordo-me, dizia mais ou menos o seguinte: “O verdadeiro escritor pode não escrever hoje nem amanhã, nem durante uma semana, um mês, anos. Mas recordar-se-á, todos os dias, da sua essência.” Já nem sei bem quem era o autor (talvez Patricia Highsmith), mas era, certamente, daquelas que mais ecoava dentro de mim. Verbalizava a angústia que de mim se apodera quando não escrevo; quando não me dou tempo de escrever; quando dou tempo e, simplesmente, não consigo. Em simultâneo, nunca duvidei de que fosse escritor, no sangue, nos ossos. E, bem mandado pela máxima anterior, lembro-o a mim mesmo todos os dias.
Serve a crónica de hoje, pois, para, por um lado, deixar aos potenciais interessados esta ideia-chave daqueles que ambicionam trabalhar nas obras da literatura; por outro, para confessar a alegria que me vem transportando por, nos últimos tempos, ter regressado, enfim, à escrita regular. Aos meus amigos mexicanos que possam ler, via net: fiquem descansados: já terminei o Heartbreak Hotel, livrinho de poesia que estava prometido. Quanto à Dra. Manuela Cardoso, da Presença: não se preocupe - já regressei ao romance e parece que, desta, será de vez. Daqui dois ou três meses, estará aí consigo. Palavra!
Alexandre



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?