ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

sexta-feira, março 04, 2005

 

Estudos sobre o Tio Patinhas

Não sei bem se imediatamente antes, se depois da Banda-Desenhada subir ao nono lugar no leque numerado das artes, começaram a despontar, por todo o lado, confessos admiradores do exercício outrora reservado à ingenuidade do público infantil. Dos coleccionadores privados às exposições, apareciam fanáticos da Marvel, adeptos rivais da DC Comics, seguidores de Moebius e outros artistas franceses, patrióticos apreciadores do traço português. Como jóias raras, guardam as edições especiais da morte do Super-Homem, têm por modelo de virtudes Wolverine, erguem um coro de vozes decepcionadas com as adaptações cinematográficas, com paixão mais dogmática pela obra original que um especialista na Época Clássica com a versão blockbuster de um texto de Homero.
Lentamente, fui-me sentindo sozinho. Não tivera mais que quatro ou cinco daqueles livros, quase sempre oferecidos por amigos gentis e atentos. Olhava para casa e via a estante cheia de BD - atulhada, na verdade - centenas de álbuns A5, com datas que variam entre este mês de Janeiro e alguns ligeiramente anteriores ao meu nascimento. Nas lombadas, todos referem duas palavras familiares: Walt Disney. E, depois, Tio Patinhas ou Pato Donald ou Mickey Mouse ou Almanaque Disney, Hiper Disney, Disney Especial.
Durante muito tempo, senti-me um básico, um primário, um simplório.
Mas ontem, lendo o quarto volume da colecção “Obras-primas da BD Disney”, decidi dizer: Basta! Já tenho idade para assumir estas opções chocantes. Sim, ainda leio o Zé Carioca e o que é que tem? Ainda me desfaço a rir com o Peninha. Sobretudo, creio que já é hora, já vem sendo tempo, amigos, de se fazerem investigações sérias sobre a genealogia de Patópolis e de Peter Jackson levar ao grande ecrã uma versão séria da saga do Tio Patinhas.
Alexandre



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?