ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

terça-feira, março 15, 2005

 

[ ] espaço em branco para o teu nome

Gostava de conhecer a equipa de criativos que decide, em parte anónima, as datas do calendário. Sim. Anda aí uma malta que, todos os anos, institui feriados, celebrações, dias mundiais e coisa e tal. Dia da árvore, dia da criança, do pai, da mãe, do teatro, do livro, da poesia, da luta contra a sida e do combate à osteoporose; dia da liberdade, da república, sem televisão, sem carros, sem carne, com ovo, molho à parte, dos amigos, das comadres, de S. Cristóvão e da santa padroeira de Milhazes de Baixo. Ninguém fica de fora, toda a gente tem a sua quota. Há o dia da mulher, o dia do africano, do imigrante, a manhã do aborígene e a hora do suazilandês. É bonito, é politicamente correcto, mas enerva.
Vem isto a propósito, é claro, do dia doa Namorados ou de outro santo qualquer, com um nome abichanado e que ninguém sabe quem é nem viu, alguma vez, mais gordo. O dia dos namorados é um fenómeno estranho: ninguém está de acordo com ele, mas lá continua, como uma chaga, alapado ao 14 de Fevereiro – uma pessoa ainda mal se refez das dívidas que contraiu para oferecer presentes a todos no Natal e ter uma passagem de ano a mais de 20 metros de casa e pumba! Lá estão as montras a gemer outra vez: “Compra… Compra…” Ou queres passar por sovina insensível (na melhor das hipóteses), teso maltrapilho (na pior)?
E, no entanto, vejo os solteiros irritados com os casalinhos; não se consegue comprar nada que não venha em forma de coração; e os próprios namorados dizem uns aos outros que o que importa são todos os outros dias do ano e não estas convenções.
Bom, pelo sim, pelo não, aqui fica esta crónica. Pode recortar-se pelo picotado e anexar-se à caixa de bombons. No espaço em branco, em cima, podem escrever o nome da(o) interessada(o). Eu vou andando que ainda tenho de comprar flores.
Alexandre



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?