ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

terça-feira, março 29, 2005

 

A educaçao dos homens

[Em episódios anteriores desta coluna: a decepção com a política; a não-correspondência entre os grandes projectos filosóficos e a realidade prática; a angústia em não ser já capaz de suspender o cepticismo em relação aos políticos.]
Lentamente, mais importante que a política parece-me ser a educação. Se a educação funcionasse, a política deveria limitar-se a ser uma regulação das instituições públicas. Tal como acontece, hoje, existe apenas como remédio para os erros. E, se calhar, é por isso que fracassa. Por culpa dos eleitores, também. No fundo, é como no amor: se amamos o outro, não por aquilo que ele tem, mas pelo que nos falta, estamos condenados ao falhanço. Os amores funcionam entre pessoas sólidas, completas, com respeito por si próprias, confiança, em que o amado é, portanto, uma mais-valia na sua vida e não um paliativo para as dores. Feita a transposição para a política, com as devidas distâncias, a relação entre eleitores e eleitos fica com as feridas visíveis: eu que não trabalho e não tenho dinheiro; que estudei pouco e tenho um trabalho que detesto; que não estou atento às agendas culturais e sou um ignorante; que conduzia a 200 e fiquei numa cadeira de rodas. Depois, quero que os políticos me resolvam os problemas todos: que me dêem um emprego melhor, uma casa decente, um bom ordenado, cuidados de saúde, a cultura que não tenho. É claro que vai falhar, é claro que me vou decepcionar, é claro que vou contestar esse governo incapaz de me solucionar a vidinha.
Numa sociedade em que todos fossem devidamente educados: a estudar, a trabalhar, a cultivar-se, a poupar, a ter moral, civismo, respeito, humildade, governar seria a tarefa mais fácil do mundo. Por isso, muito mais me assusta um mau pai do que um mau primeiro-ministro.
Só espero ser capaz de o explicar no dia em que tenha um filho.
Alexandre



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?