ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

quinta-feira, março 31, 2005

 

A deriva de Freitas

A provocação própria de virgem ofendida agora encetada pelos responsáveis (?) do PP, retirando do seu “shrine” de líderes a fotografia de Diogo Freitas do Amaral para a enviar ao Largo do Rato, tem tanto de interessante como de primário: interessante porque nos entreabre a porta para o edifício do Caldas e para as reacções dos populares ao receber a notícia de que Freitas integraria o novo executivo socialista (imaginamos Portas a engolir um cigarro, Telmo Correia a engasgar-se com a sopa, Nobre Guedes a estilhaçar os óculos com o punho cerrado); primário porque não vai além dos apupos que os No Name Boys lançam a qualquer ex-benfiquista que passe pelo relvado da Luz com a camisola do adversário ou dos impropérios gritados pela Juve Leo, a cada toque de Simão Sabrosa na bola, de encarnado vestido. É uma espécie de ciúme; uma aplicação do ressabiamento; a revelação da incapacidade de ser maduro, racional, objectivo.
Que o percurso de Freitas do Amaral é invulgar, isso será com certeza. Podemos estar de acordo ou não com a sua passagem da direita para a esquerda, mas é preciso, em todo o caso, admirar o simples movimento. Freitas é um senador, um histórico. Não precisará de provar nada a ninguém; nem de mais prestígio; seguramente, não está aflito com falta de dinheiro. E saberia à partida (Oh! Como ele o saberia…) que, ao tomar esta decisão, se sujeitava à condenação ao fogo eterno; a colocar o pescoço na guilhotina dos críticos; a exibir-se, enfim, com a camisola verde diante da curva da bancada encarnada.
Freitas poderia passar o resto da sua vidinha, tranquilamente sentado no cadeirão, a tecer considerações sobre a miséria do debate político actual, como fazem outros senadores. Mas não o fez. Chegou-se à frente. Como diriam ingleses, “puts his money where his mouth is”. E isso tem de ser louvado.
Alexandre



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?