ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

sexta-feira, março 04, 2005

 

Decq Mota e a ingratidao

(A notícia já tem alguns dias, mas, indeciso entre torná-la reportagem ou crónica, fui adiando. Como está difícil encontrar tempo para ir às ilhas, trato-a assim, nestes mil e tal caracteres - também é digno.)
José Decq Mota, líder histórico do Partido Comunista nos Açores, está, há poucos meses, inscrito no Centro de Emprego.
Não sou comunista, nem particularmente apaixonado pela política, nem sequer conheço, em pessoa, o senhor. Mas tenho dificuldade em encaixar a notícia, em aceitar que um homem que dedicou os últimos 30 anos da sua vida à luta pela coisa pública açoriana se veja, agora, enquanto os colegas de carreira caminham douradamente para a reforma, na dependência de um subsídio de desemprego.
Se Portugal, em geral, é conservador, os Açores, como qualquer região pequena, ainda o são mais. Mas, em termos eleitorais, são capazes de surpresas como esta. E se, alguns anos atrás, o PP se viu com apenas um assento parlamentar; agora, nas últimas regionais, o PCP deu por si fora da Assembleia - é um óbvio sinal dos tempos e os comunistas nacionais, para seu bem, não o devem ignorar.
Lamento o acontecimento como idealista: é o fim decretado da utopia, mas a verdade, dir-me-á o realismo, é que a utopia está morta e enterrada há muito tempo e nem sequer deve ter ido para o Céu. Mas lamento, sobretudo, o lado reverso da profissionalização da política personalizado neste caso. Decq Mota dedicou a sua vida ao parlamento regional e ao aparelho partidário e afastou-se, de modo irremediável, da “vida real”. Quando precisou de regressar a ela, as portas estavam fechadas, ninguém o esperara, já não tinha lugar.
Assim, não vale. É demasiado ingrato. E os pais inscreverão os filhos idealistas nas juventudes partidárias de poder, para ter a certeza de que, um dia, terão quem lhes pague a mensalidade do lar.
Alexandre



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?