ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

quarta-feira, março 09, 2005

 

Como eu odeio o Carnaval

É uma coisa genética, não tenho a culpa. Já a minha mãe não gostava, nem o meu pai, nem o avô, nem o bi e o tri, a amante dele, o periquito, a vizinha da frente. Tentei contrariá-lo, ainda arranjei, em miúdo, daqueles narigões com óculos e bigode à Chalana, chapéus e cornetas, cabeleiras, meia-dúzia de máscaras.
Em adolescente, confesso, houve um ano em que aderi àquela coisa ridícula a que todos os homens acham sempre muita piada e tremendamente original: vestir-se de mulher, aliás, de mulher feia, histérica e de mau gosto. Depois, borrifei na indumentária, mas continuei a ir às discotecas nessas noites de tragédia. Piorou: sem máscara nem conseguia disfarçar que as minhas faces mudavam de cor a cada vez que começava a ouvir-se uma nova brasileirada (fenómeno extensível às passagens de ano, gostaria de saber porquê…). Letras metafísicas sobre a identidade da cachaça e da água, o laço de amizade que nos une a Charlie Brown e um épico hino a uma cidade-maravilhosa-coração-do-meu-(Meu?!?!?!)-Brasil… Enfim, haverá sanatórios onde se dizem coisas com mais nexo.
O tempo passou. Tudo bem. Decidi que essas seriam as únicas noites do ano em que não sairia de casa por dinheiro nenhum e vislumbrei a única virtude da época: a sua efemeridade. Só dura dois dias. Ou três, ou o que é. Depois, a civilização voltava à normalidade e ninguém falava mais no assunto até ao ano seguinte. Uma questão de higiene.
Mas 2005 reservou-me esta surpresa: campanha eleitoral e Carnaval juntos porque, como dizem os anglo-saxónicos, “misery likes company”. O fenómeno é tal que até Alberto João trocou o desfile no Funchal por um passeio pelo País ao lado de Santana. E, de repente, a vida que durava dois dias tem de ficar ligada à máquina até ao próximo dia 20, em estado de morte cerebral. Há dias em que a eutanásia deveria ser obrigatória.
Alexandre



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?