ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

domingo, janeiro 23, 2005

 

Verdade ou Mentira?



Andava eu a arrumar os meus ficheiros de jornais e revistas quando, às tantas, encontro este recorte, um texto publicado na revista Focus do ano passado e intitulado “Desventuras de um jovem filósofo”. Leiam e ajuízem:

“Na passagem dos anos 80 para os 90 do século passado, uma estrela despontava no firmamento intelectual da Universidade Nova de Lisboa, à Avenida de Berna, nos terrenos do antigo Grupo de Companhias de Trem Auto. Um jovem professor de Filosofia começa a dar nas vistas graças à sua prolífera publicação de livros e artigos da especialidade, de valia reconhecida pelos seus pares. A ascensão foi meteórica – e, enquanto se passeava no pátio, de sobretudo aberto, com um eterno cachecol vermelho a esvoaçar ao vento, o doutor começou a sonhar alto de mais, cedo de mais.
Admitido num prestigiado centro de investigação, logo cobiçou o lugar cimeiro de secretário ao seu velho mestre, um catedrático que pouco antes atingira a idade da jubilação – 70 anos. E foi precisamente com o argumento de que o secretário já estava jubilado que o jovem filósofo convenceu o instituto governamental que tutelava aquele centro a destituí-lo por ter ultrapassado o limite de idade.
Um belo dia, quando o patriarca se preparava para dar início a uma reunião de investigadores, o jovem doutor anunciou-lhe, sem mais aquelas, que já não tinha poderes para dirigir a instituição, nos termos de uma certa da tutela, que exibiu, com ar triunfante.
O velho, ferido na sua dignidade, encaixou o golpe. Limitou-se a responder: “Então, já não estou aqui a fazer nada”. Abandonou a sala, atravessou a pequena antecâmara e saiu para o pátio. Mas quando viu que todos os investigadores o seguiam, com a única excepção do que o desafiara, voltou atrás.
O jovem filósofo vinha a sair. Cruzaram-se na antecâmara. O catedrático levantou a mão septuagenária ao mesmo tempo que martelava casa sílaba, à maneira coimbrã: “Seu malandro!”
Manuel Maria Carrilho caiu desamparado para cima de um sofá de napa preta. Com a melena desgrenhada, o sobretudo descomposto e o cachecol à banda, só teve tempo para esboçar: “Ó professor, ó professor, então, então...”
Epílogo
O velho catedrático continuou ainda por mais alguns anos a orientar doutoramentos e mestrados, até pouco antes de morrer.
O instituto que tutelava o centro de investigação acabou por ser extinto.
Manuel Maria Carrilho continuou a sua carreira fulgurante na universidade e na política, mas teve que ir pregar para outra freguesia.”

João Pedro



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?