ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

terça-feira, janeiro 11, 2005

 

Sou o maior, sou o rei! Vou acabar com todos os vadios!

O meu nome é João Pedro George. Não era o tipo de aluno que era esperto na escola. Tinha o hábito de intimidar. Sentava-me ao lado do rapaz mais pequeno da aula, o mais inteligente. E quando tínhamos de fazer testes, dizia-lhe: “Se não me deixares ver o teu teste vou apanhar-te depois das aulas...” E ele ficava tão assustado, que dizia: “Por favor, João Pedro. Por favor, eu faço qualquer coisa. Tu... Tu podes ver. O que queres? Mostro-te tudo?” Eu dizia: “Dá-me a resposta às perguntas 10 e 11”. E ele passava-mas. “E se contares isto a alguém é melhor não vires mais à escola”.
Vou ser o próximo campeão olímpico. Vou acabar com todos os vadios. E se se armarem em espertos, acabo com todos vocês. Eu voo como uma borboleta e pico como uma abelha. Acertei-te! Boa. Vem cá, parvalhão! Sou jovem, sou bem parecido, sou rápido, sou bonito e ninguém me pode derrotar. Estás a ouvir-me, Camões? Estou aqui para acabar com o teu reinado. És demasiado feio para seres campeão. O campeão mundial devia ser bonito como eu. Camões começa a recuar. Se Camões continua a recuar, no banco da primeira fila vai acabar. Um soco com a esquerda, um soco com a direita. Camões continua a recuar, mas não existe espaço suficiente. De tempo, é só a questão. Sou um turbilhão. Camões desaparece de vista, o público está a ficar frenético. Mas as nossas estações de radar interceptaram-no, ele está algures no Atlântico.
Eça de Queiroz não está à minha altura. É demasiado pequeno, é demasiado lento... não tem amplitude, não sabe dar um soco, não bate com força e não conhece o jogo dos pés. Previ, pelo modo como fala de mim, que eu iria dar-lhe uma bela coça e estou muito grato por ele ter tido a força para se levantar, porque aquilo que levou foi uma bela coça. Dei-lhe oito socos consecutivos no queixo. Pim, pam pum! Desmoronou-se como um grande edifício. O meu sangue está quente. Sou um guerreiro, sou um combatente. Sou o peso-pesado mais rápido, o mais elegante, o mais científico e o mais artístico de sempre. Sou mesmo o melhor de todos os tempos.
Se julgam que o mundo ficou espantado com o Fernando Pessoa esperem até eu dar cabo dele. Ele é um touro. Eu sou o matador. Pessoa está morto de medo. Pessoa encontrou o seu mestre, o seu professor, o seu ídolo. Sou o maior. Já disse ao mundo. Converso com Deus todos os dias. Se Deus está comigo, ninguém pode estar contra mim. Eu abalo o mundo! Eu abalo o mundo! Sou o rei! Sou o rei do mundo!

I done wrestled with an alligator. I done tussled with a whale. I done handcuffed lightning – throw thunder in jail! That’s bad! Last night, I cut the light off in my bedroom. Hit the switch and was in the bed before the room was dark. Only last week, I murdered a rock. Injured a stone. Hospitalized a brick. I’m so mean, I make medicine sick!

Sou mau! Sou terrível. Sou veloz. Sou bonito. Sou rápido. Abalo o mundo! Abalo o mundo! Abalo o mundo! Dois jabs esquerdos rápidos, um cruzado direito rápido e um gancho esquerdo. Não tenho de ser aquilo que tu queres que eu seja. Sou livre de ser o que quero ser. O preço da liberdade é muito alto. Esta noite sou livre

João Pedro (a partir das entrevistas de Muhammad Ali)



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?