ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

terça-feira, janeiro 18, 2005

 

Melancolia

A minha estreia nos jornais (O Independente, 12/12/1997) deu-se com este texto.

Charles Bukowski revisitado (e maltratado).

Considerado por Sartre e Jean Genet como um dos maiores poetas americanos contemporâneos, Charles Bukowski foi reeditado pela conceituada Relógio d'Água. E antes o não tivesse sido, pois para quem aprecia literatura e gostaria de conhecer melhor a obra deste escritor, a presente edição é para esquecer. Pelo lugar que disfruta no meio editorial português, esta editora dever-se-ia sentir obrigada a tratar com mais cuidado e com outro brio profissional as obras que edita. Num país que o tem ignorado, Bukowski merecia melhor. A Sul de Nenhum Norte (originalmente publicado em 1973 pela Black Sparrow Press) mostra-nos agora um Bukowski truncado, mal traduzido, onde o sub-título da edição original (Stories of the Buried Life) fica na gaveta do tradutor (Manuel Resende); não existe um índice dos contos (e são vinte e sete); as gralhas são mais que muitas e, pasme-se!!!, há contos que estão incompletos (Solidão)! Assim não vale a pena ler livros. Muito menos ainda desembolsar os quase três contos que este custa.
O leitor português perde pois uma das poucas oportunidades para retomar contacto com o universo literário deste escritor norte-americano, num livro que nos relata, no original, o dia-a-dia nos subúrbios de Los Angeles, onde a cerveja e o bourbon dão vida a personagens dominados pela violência e pelo sexo. Vagabundos, prostitutas, bêbados e outros marginais perpassam ao longo das suas páginas, retratados com um humor lúcido e uma paixão irredutível pelo perverso. Bukowski contruiu toda uma obra com o peso da sua própria existência. Bêbado santificado numa prosa larvar, o álcool foi o companheiro inseparável da vida e da obra deste escritor que nasceu em 1920 numa pequena cidade alemã, Andernach. Aí viveu até aos três anos de idade, altura em que foi levado para os Estados Unidos, país que não mais abandonou e onde veio a morrer aos 74 anos de idade, vítima de uma leucemia.
Através do seu alter-ego, Henry (Hank) Chinaski, as histórias deste A Sul de Nenhum Norte (no original South of No North – Stories of the Buried Life) são narradas num tom que se fica entre o realismo obsceno e a sátira feroz, usando e abusando de imagens escatológicas, frases mordazes e vocabulário pouco recomendável. Num estilo coloquial, característica saliente da ficção americana, as suas frases simples, curtas e sem pretensão intelectual, lembram o estilo dos melhores contos de Hemingway e Saroyan, mas com um humor que estes nunca revelaram.
Poeta dos subúrbios, Bukowski foi durante muito tempo um fantasma no mundo espectral do underground americano, enviando os seus poemas e escritos de velho indecente a revistas marginais e pornográficas de tiragem reduzida. Decidiu tornar-se escritor profissional em 1968 quando John Martin da Black Sparrow Press lhe ofereceu um rendimento mensal para toda a vida. Encontro feliz, pois o êxito de um foi o sucesso de outro. Traduzido na Europa, onde logo mereceu maior atenção que nos Estados Unidos, chegou a ser o escritor americano mais vendido na Alemanha e em França. Para a história fica ainda a sua polémica passagem pelo prestigiado programa literário Apostrophes, onde se embebedou em directo frente a 50 milhões de espectadores. Abandonou o programa a meio, assediou uma das escritoras convidadas e ameaçou o moderador Bernard Pivot. O filme Barfly, realizado por Barbet Schroeder e interpretado por Fay Dunaway e Mickey Rourke, consagrou-o definitivamente.
Charles Bukowski permaneceu, todavia, um homem coerente e, por isso, inevitavelmente só. Fiel a uma peculiar honestidade, deixou à sua passagem um rasto de veneração e de ódio. Goste-se ou não, merece ser lido com rigor. Precisamente o que falta a esta edição da Relógio d'Água.

ATENÇÃO: Esta edição miserável continua à venda. Via-a ontem nos escaparates da FNAC do Chiado.

João Pedro



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?