ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

terça-feira, Janeiro 11, 2005

 

Céline

Um uivador furioso. Que odiava tudo e todos. O mundo, a humanidade. O ser humano? Um merdas, um cobarde, um gorila comilão. O amor? “A palavra mais fedorenta, obscena e peganhenta de todo o dicionário”. Progresso? Felicidade? Esperança? Sortes-macacas! Pecado original sim, salvação nunca. Céline morreu a espumar. A refilar. Delirante, torcido de ódio. Uma congestão cerebral. Horas antes tinha acabado de escrever um romance, Rigodon. Vivia em Meudon, no sudoeste de Paris. Com a mulher, Lucette, e o gato Bébert. Vestia calças de jardineiro presas com uma guita e uma camisola imunda e rota. Dentes podres, unhas sujas, o jardim, a casa, os movéis, os objectos, tudo miserável, estragado, enferrujado.
Céline escrevia na linguagem falada das classes trabalhadoras, no argot dos soldados, no calão da rua, do lumpenproletariat, dos carteiristas e dos trapaceiros, dos donos de bordéis e dos vagabundos. Um francês oral e popular ignorado pela literatura. Um francês a milhas da linguagem académica, da prosa literária, da escrita asseada, com a frase direitinha, a sintaxe bem-comportada, os verbos no conjuntivo, a bela gramática. Céline inventou palavras, criou neologismos. Uma cacofonia de plebeísmos e vernáculo que virou do avesso o francês educado de Voltaire, da Enciclopédie e do liceu. Céline criou uma música e uma melodia próprias, uma escrita visual e barulhenta, atafulhada de pontos de exclamação e de reticências, alternando parágrafos convulsivos e caudalosos com frases truncadas, lacónicas e sem maneirismos verbais, onde as palavras atingem directamente o sistema nervoso sem passar pelo intelecto, pela razão. Com Céline a língua francesa perdeu o pudor, ganhou emoção, tornou-se vulcânica e escatológica.

“As ideias? Nada mais banal do que as ideias. A forma determina a acção da obra. A mudança de forma é que provoca a mudança de conteúdo. Não quero contar, quero fazer sentir. Escrevo como sinto. Não sou homem de mensagens. Não sou homem de ideias. Sou homem de estilo. E ao estilo ninguém se quer vergar. Dá imenso trabalho, vivem para gozar a vida, e isso não deixa trabalhar muito. O calão? Palavrões, obscenidades? Também Rabelais e Villon os diziam. O calão é feito para o operário poder dizer ao patrão que o detesta: vives bem e eu vivo mal, exploras e anda num grande carro, vou dar cabo de ti...”

“Agora há tanta gente que tem instrução superior, qualquer um que tenha diploma ou licenciatura pode escrever um romance. É a carta à priminha em ponto maior!”

“O Sartre? Uma ténia dos cagalhões, um merdoso... um bufo falhado... um chacal!... um bandulhozinho com olhos de feto!”

“Talvez haja uma coisa – a única coisa que talvez seja verdadeira –, é que não sei gozar a vida, não vivo. Não existo. E então, como não gozo a vida, tenho esta superioridade em relação aos outros, que estão realmente podres mas sempre a gozar a vida. Gozar a vida é beber, enfardar, arrotar, foder, é uma série de coisas que pregam com o homem no zero, e com a mulher também. É como o vício. Eu estava metido no vício até ao pescoço, na medicina até ao pescoço e nos bordéis até ao pescoço!... Mas foi preciso ter saído. Era o que dizia a Marie Bell: «Tu não és vicioso, porque se fosses vicioso não descreverias o vício, estarias lá metido». Quando não estamos lá metidos, descrevemo-lo. É como a política!... Estão lá metidos. Gostam dos consumidores. Estão lá metidos... Gostam dos netos... Pedem beijos... Gostam de uma carícia no quarto de casal e dizem: «Ah, querida, hoje trabalhei tanto!» Gozaram, ejacularam, fizeram coisas de porcos, são porcos como os outros!...”

“Prontos para atravessar os desertos e as ondas e procurar mundos diferentes noutro lado qualquer”.

(entre aspas: colagem de textos com as mais diversas proveniências)

João Pedro



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?