ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

segunda-feira, dezembro 13, 2004

 

NÃO AO SONHO!

O indivíduo pacato, habituado a tomar a sua bica e o seu copo de água morna, sempre à mesma hora e sempre naquela mesma mesa, vê-se nesta época sem saber o que fazer. Sente-se desnorteado e desorientado num universo de pessoas que abrem caminho com os cotovelos, pisam os pés uns aos outros, as senhoras empoleiradas nuns saltos altos finos e delicados, os cavalheiros com os bicos dos sapatos arrebitados, queria cem gramas disto, uma dúzia daquilo, embrulhe-me meia dúzia daqueles... Balcões, montras, vitrinas, tudo fica atravancado de tabuleiros e bandejas com rabanadas, filhós, fatias douradas, suspiros... Mas o pior, o pior mesmo são os sonhos. Os portugueses, maníacos do trocadilho, vêem nos sonhos, umas bolas amarfanhadas e oleosas, feitas de farinha e ovo, cobertas de açúcar e canela, o pretexto ideal para dar asas à sua extraordinária apetência para o gracejo e para a chalaça. Se o empregado da pastelaria pergunta ao cliente se ele vai desejar sonhos, a resposta, invariavelmente, sai em tom de gracinha, de piadola: "sonhos? eu sonhar só se for com o euromilhões". Se o cliente pergunta "esses sonhos são de hoje?", a resposta do empregado não andará muito longe de "acabaram agora mesmo de sair da cama". Há aqueles que, perante um convidativo "olhe que os sonhos estão uma delícia", respondem "ainda por cima húmidos, como eu gosto!". Ou os mais cultos, que respondem "então dê-me lá um, que pelo sonho é que vamos" ou "dê-me aí um sonho, que a vida é sonho!". Ou também: "dê-me aí mais um sonho, que eles não sabem que o sonho... como é que dizia o outro?" Há ainda o cliente que, reparando numa atravessa apinhada, exclama: "que sonhos tão grandes!", ao que o empregado replica, como num fado à desgarrada: "são para sonhar alto!"
Por tudo isto, porque ir ao café para ler o jornal ou ficar simplesmente a olhar para o tecto se revela, nesta altura do ano, um verdadeiro pesadelo, declaro desde já: NÃO AO SONHO!

João Pedro



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?