ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

sexta-feira, dezembro 31, 2004

 

Crítica da Razão de Circunstância

Para terminar o ano, mais um maluco. Senhoras e senhores, meninos e meninas, apresento-vos Francisco Dias. Bem vindo!


Caro João Pedro,

Depois de ler no seu blogue a disputa verbal entre si e Rui Falcão, tive
o ímpeto de lhe escrever. Quem sou eu? Um entre milhões de anónimos,
literariamente um zero, ou no melhor dos casos um zero vírgula dois. Mas
sei ler, discernir e fundamentar as minhas opiniões. Apesar de me
reconhecer como um mero consumidor de literatura, e nunca como um
aprendiz de escritor, e muito menos um candidato a crítico literário,
considero que me assiste legitimidade para opinar e para partilhar as
minhas reflexões sobre o que vou lendo.
Ora, se me esmero a reduzir-lhe as expectativas quanto à minha pessoa, é
justamente porque constato que você, para dirimir as suas razões, opta
por elevar a forma aos píncaros do sagrado, tentando assim desviar a
atenção do conteúdo. De resto, o que me leva a escrever-lhe tem relação
directa com esse seu estratagema. Transcrevo-lhe uma das suas frases em
resposta a Rui Falcão (que, como a si, não conheço de lado nenhum): "O
Rui, leitor de Gil Vicente, íntimo de Tchekov, deveria saber que não se
diz “trazer à coacção” mas sim “trazer à colação”. Um pequeno erro como
esse fere um texto de morte. E retira-lhe toda a credibilidade."(sic)
Fantástico! Consegiu apanhar o oponente em flagrante delito de
credibilidade!
João Pedro, não reparou que com esse golpe rasteiro acabou por confirmar
a justeza das críticas que o Rui lhe endereçou? Acredita realmente que um
erro retira toda a credibilidade a um texto? Francamente, sejamos
sensatos!
E acha que refocalizando a atenção na pessoa ("Rui Falcão é o seu nome
verdadeiro ou é nome falso?"... "Se... já leva alguma experiência nestas
coisas da literatura, talvez já devesse ter ouvido falar de si...Quem é
Vossa Excelência?"), ou dando importância cósmica a um pormenor, é
intelectualmente honesto?
Em geral, por tudo o que é dado ler no seu blogue, e julgando a partir
daí os seus méritos, confesso que esperava muito mais de si. Acredite
que, como mero observador desta cena de pugilato verbal, fiquei com a
nítida impressão "de" que o Rui Falcão o mandou ao tapete logo no
primeiro assalto, e sem grande esforço.
As lianas do formalismo e o tecnicismo formal nem sempre são boas
companhias. Cuide de si e não se deixe escorregar pela rampa da
verborreia.

Votos de um óptimo Novo Ano.
Francisco Dias


Post sriptum: coloquei a proposição "de" entre aspas para ressalvar
eventuais ataques formais: sei que, em rigor, a proposição está a mais,
mas gosto dela lá.



João Pedro



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?