ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

segunda-feira, dezembro 06, 2004

 

Caro Senhor Moita de Deus

Rodrigo,
e se eu dissesse que os teus posts são uma balbúrdia, retraços de ciência apanhados a dente, mal mascados, fruto de um cérebro atrapalhado como armazém de adeleiro, golfos de bolo não desmoído, coisas apocalípticas, muito desatadas, em prosa deslavada, derreada, enxarciada de galicismos, caótica, apontoado enxacoco de retalhinhos apanhados à toa numa canastra de apontamentos baralhados e atirados ao prelo se calhar não te chateavas nada, hom’essa, e até achavas piada ao facto de ter ido buscar o Camilo a bater no Teófilo para reinar amigavelmente contigo. Ou chateavas-te? Não, lá está, porque suspeitavas que era uma coisinha bem escrita e criativa e, quiçá, montes de impecável. E sei bem que se te acusasse de escreveres com offenbachiana parlapatice majestosa seguramente me convidarias logo para jogar futebol de cinco com a malta nos Corochéus à terça à noite. Mas, repara, ainda que te irritasses, eu não teria sequer aproximado aquilo que a Mónica fez: um ataque pessoal, pouco ético, e nada estético. A não ser que discordes disto, e então – pá – Deus nos livre de seres em política como és em estética. Rui



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?