ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

quinta-feira, dezembro 30, 2004

 

1972: O Ano Em Que Eu Nasci

Este Natal ofereceram-me este livro, 1972: O Ano Em Que Eu Nasci, da editora Ausência. Informam-me na capa que aí vou encontrar “todos os dados e aspectos relevantes que se passaram durante o ano em que eu nasci”, em áreas que vão da meteorologia à sociedade, passando pela cultura, espectáculos, ciência, desporto, etc. Pior, pior foi terem oferecido à minha namorada este outro livro, 1970: O Ano Em Que Eu Nasci. Resultado, passámos os dois o final da noite de 24 à bulha. A discutir quem tinha nascido no melhor ano, 1970 ou 1972? Primeiro, os famosos que nasceram nesses anos. Ela mandou-me à cara o Michael Schumacher. Eu, para grande raiva minha, ripostei com o Pedro Lamy. Tentei neutralizá-la com a Catarina Furtado, mas ela tinha na manga a Claudia Schiffer. Só o meu Luís Figo conseguiu esmagar-lhe o Paulo Sousa. Nas mortes sonantes, ela vangloriou-se com Almada Negreiros, Bertrand Russel, Jimmy Hendrix, Janis Joplin, Charles de Gaulle e... António Oliveira Salazar. Eu, mais uma vez, senti-me inferiorizado. Em 1972 limitaram-se a morrer Maurice Chevalier e uns tipos estranhíssimos, como o Andrei Tupolev, um engenheiro soviético, e Max Fleischer, o criador de Popeye. A coisa começava a ficar preta para o meu lado. Estava a levar uma abada.
Nos acontecimentos nacionais ela sentiu-se humilhada com a Operação Nó Górdio, do generalíssimo Kaúlza de Arriaga. Eu tinha os quinze camiões do exército que foram destruídos pelas Brigadas Revolucionárias. Nos êxitos da televisão eu atirei-lhe com o António Vitorino d’Almeida e o seu “Histórias da Música”. Mas ela arrumou-me com o Festival da Canção e com a música “Onde Vais Rio que eu Canto”, do grande Sérgio Borges. Nos acontecimentos internacionais não lhe dei hipóteses: a 30 de Janeiro o Sunday Bloody Sunday, a 6 de Setembro o ataque palestiniano em Munique à delegação israelita presente nos Jogos Olímpicos, a detenção dos terroristas Baader-Meinhof e o escândalo do Watergate. Ela só tinha, para contrapor, a eleição de Salvador Allende e o “Setembro Negro” de confrontos entre refugiados palestinianos e forças militares jordanas. Na sociedade dei-lhe um baile: a morte do Duque de Windsor, o monarca que renunciou ao trono pelo amor de uma divorciada; o húngaro tresloucado que danificou à martelada a famosa “Pietá”, de Miguel Ângelo, enquanto gritava: “Eu sou Jesus Cristo”; e a tragédia nos Andes, em que um grupo de sobreviventes de um acidente de avião come os companheiros de viagem. Ela assumiu a derrota com a aprovação em França do uso obrigatório do cinto de segurança nos assentos dianteiros dos automóveis.
Nas novidades literárias verificou-se um empate técnico. No meu ano estrearam livros como As palavras, que pena (Yvette Centeno), Os Clandestinos (Fernando Namora), Poesia H (Fiama Hasse Pais Brandão), A Mosca Iluminada (Natália Correia) e Visão-Vision (Ernesto de Melo e Castro). No ano dela, mais do mesmo: Um Sino na Montanha (Fernando Namora), As Maçãs de Orestes (Natália Correia), (Este) Rosto (Fiama Hasse Pais Brandão) e Os Outros Legítimos Superiores (Maria Isabel Barreno). No cinema arrasei com O Padrinho, O Último Tango em Paris, Tout Va Bien (Godard) e O Charme Discreto da Burguesia (Bunuel). Ela ainda balbuciou um Bertolucci (A Estratégia da Aranha) e tentou ludibriar-me com o Cowboy da Meia-Noite. Em termos de êxitos musicais eu tinha para apresentar “Que Força É Essa” (Sérgio Godinho), “Canto no Deserto” (um single de Fernando Tordo), “Riders on the Storm” (The Doors), “Harvest” (Neil Young) e “Smoke on the Water” (Deep Purple). Ela disse que lhe bastava, para me pôr K.O., a “Balada de Bidonville” do José Barata Moura, e que se eu me tentasse levantar me atirava com a “Pedra Filosofal” do Manuel Freire.
No round seguinte – a ciência – encostei-a às cordas e levei-a ao tapete: as primeiras calculadoras de bolso começaram a ser fabricadas no Reino Unido, as primeiras cassetes foram comercializadas, a Philips lançou no mercado os videodiscos, foram fabricadas as primeiras fibras ópticas e começaram a efectuar-se os exames de Ressonância Magnética Nuclear. “Mas, mas, mas”, gemeu ela, “a varíola foi erradicada”. No desporto voltei a arrasar, tinha o Bobby Fischer, campeão do mundo de xadrez depois de vencer o soviético Boris Spassky, o Joaquim Agostinho, o Carlos Lopes (campeão nacional de corta-mato), a vitória em Wimbledon de Stan Smith e os Jogos Olímpicos de Munique, onde brilharam as sete medalhas de ouro do nadador Mark Spitz. Perante isto, baixou a bolinha: só tinha insignificâncias desportivas, como a vitória de Luis Ocaña na Volta à Espanha.
Por esta altura estávamos os dois esgotados, prestes a dar o último suspiro. Ela moribunda, de morte anunciada, quis acabar à grega: tragicamente. Atirou-me com um ciclone no Paquistão Oriental que matou 300 mil pessoas. Hoje sou um viúvo vitorioso mas nunca a esquecerei.

João Pedro



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?