ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

sexta-feira, novembro 19, 2004

 

Meryl can't strip


Entre as razões por que achei o filme «O Candidato da Verdade» fracote está a escolha de Meryl Streep para o papel de mãe do candidato Liev Schreiber. Streep é capaz de grandes desempenhos, como em «A Escolha de Sofia» e «As Pontes de Madison County», para dar dois exemplos espaçados no tempo. Mas não é o caso deste filme, apesar do que logo se disse por aí. A escolha de Meryl Streep para este filme foi um erro de casting. Meryl é simplesmente incapaz de transmitir a necessária e sórdida sensualidade às personagens que interpreta. Ela poderá ser bonita, ou ter sido bonita: não é por aí, nada disso tem que ver com sensualidade. Meryl é uma senhora que pode e consegue transmitir toda uma vasta gama de emoções, menos o tesão. Aquela personagem de mãe e senadora, aquela bitch on wheels, precisava dessa última coisa do mal, a volúpia da sensualidade levada ao incesto, se necessário fosse. E era. Era desejável que fizesse bingo com todos os estereótipos e interditos culturais que envolvem sexo, mãe e poder. Para o papel, seria talvez preciso a Angelica Houston de «The Grifters». Angelica faz como ninguém a mulher disposta a tudo, a rigorosamente tudo, para conseguir o que quer. Deste ponto de vista, Houston é o exacto oposto de Meryl Streep, pois toda a sua representação está ensopada de sensualidade. Alguém consegue imaginar Meryl a fazer um strip? Eu não. (E a Sally Field? É outra que tal). Lembro a cena da senadora com o filho, o vice-presidente eleito. O modo como a cena é filmada sugere de imediato que irá suceder qualquer coisa. Ele, de tronco nu, muito bonito, quase um boneco, hirto, no limite - útil para a cena - do não humano (nem Jude Law faria melhor); ela, toda vestida de branco alvo, roborizada, cabelo apanhado atrás em nó, cabeça à altura da anca dele. Cabeça à altura da anca, nua, dele, e a olhar para cima. A cena prossegue da forma esperada, mas não da forma previsível: um beijo na boca, uma coisa pífia. Volto a puxar o «The Grifters» para recordar a cena, muito melhor, em que Houston seduz e aldraba o filho, John Cusack, jogando com a atracção que sempre nele - e em nós que vemos o filme - soube despertar e manter (cuidadosamente alimentando na cabeça de Cusack a incerteza sobre se de facto é mãe dele, por exemplo). Todavia, o espectador interessado em ver uma cena bem feita na qual uma mãe, francesa, partindo da mesmíssima posição pela anca do filho, faz o que dela se espera, deverá dirigir-se à cena respectiva em «La Grande Bouffe», e ver como aquela senhora usa de todos os argumentos para evitar que o filho saia de casa para ir beber uns copos com os amigos. Rui



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?