ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

domingo, novembro 21, 2004

 

Literatura Relax

Literatura Relax é um novíssimo movimento literário. Face ao esgotamento das formas, dos géneros, dos temas e dos motivos. Face à menoridade intelectual, à vulgaridade estilística, à pouca autenticidade, à incapacidade de transmitir emoções intensas, aos rodriguinhos das amizades, aos cebáceos elogios que caracterizam o insecto literatura portuguesa, decidimos criar uma corrente literária predestinada para o excessivo, para o inconformismo artístico e para o combate.

Dizemos: a literatura portuguesa está hoje reduzida a uma assembleia de parolos, de finórios e de espertalhões enfeitados de plumagens onde não respira uma única ideia.
Acusamos: os escritores portugueses atingiram a aurora da tolice.
Apontamos o dedo: a crítica literária contemporânea distingue-se por não ter opiniões.
Exclamamos: à actual literatura portuguesa chamamos-lhe NADA!!!

Literatura Relax é uma vacina contra doenças literárias como farsolice, foleirice, vaidade, bizantinismo, aborrecimento, esperteza saloia e idolatria fervorosa. Literatura Relax é uma carga de cavalaria contra a literatura de pacotilha e o estilo pretensioso das mais destacadas figuras literárias do nosso tempo. A Literatura Relax tem como fim último depravar, debochar, desmoralizar e abandalhar a nova literatura portuguesa. A Literatura Relax visa impor um novo gosto e contribuir para o despertar de uma nova mentalidade. A Literatura Relax é uma arte de crise. É uma nova orientação estética, um novo ideário que exprime preocupações pornográficas, libidinosas, obscenas e safadas. A Literatura Relax pretende renovar e revitalizar a poesia da carne, o amor lascivo, o erotismo delirante, a bizarria sensual, a volúpia do vício, o cheiro a deboche, a contundente obscenidade. A Literatura Relax serve para saciar a nossa excitação sexual e associa altas especulações filosóficas às nossas desmesuradas obsessões sexuais. Libido e talento são para nós decretos da natureza e apenas a eles obedecemos. Fazemos a apologia da maledicência e das confissões de bordel, do desregramento hiperbólico e da sobrecarga metafórica. Defendemos para a arte o racionalismo da inspiração e a necessidade de verosimilhança. Como Baudelaire afirmamos: “quanto mais um indivíduo cultiva as artes menos fode”.
A foda é a base do mundo!!!
É a foda que torna a arte eterna!!!
A Literatura Relax é a foda absoluta!!!

João Pedro



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?