ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

quarta-feira, novembro 03, 2004

 

Eleições americanas: apesar de tudo, feliz!



Foi uma madrugada difícil. Adormeci no sofá, um sofá barato e desconfortável, responsável por torcicolos, hérnias, obesidade e outras adiposidades. Adormeci quase feliz, quase sereno, apesar dos incómodos. Algumas sondagens apontavam para a vitória de Kerry no Ohio. Nestes últimos tempos, silenciosamente (porque percebo pouco e gosto ainda menos da política pura e dura; mas atenção, sempre votei, as comissões eleitorais, a minha junta de freguesia, ninguém poderá impedir uma candidatura minha à Presidência da República), silenciosamente, dizia, desejava a vitória de John Kerry. Reparem, considero-me um rapaz de direita, a minha socialização primária (na família) foi feita à direita, a minha Avó (adoro-a, já vai nos 90), que viveu mais de quarenta anos em África e gosta do Salazar e do Cavaco Silva, diz sempre às refeições, antes de começarem: à mesa não se discute nem política nem religião. Claro que as discussões acabam invariavelmente por acontecer (os primos são os piores) embora, no final, quem acaba sempre por ter razão é a minha Avó, aliás, para quem não sabe, as Avós têm sempre razão. São discussões em que ninguém se entende, em que o tom de voz aumenta e exorbita, os primos zangam-se, o convívio fica estragado. Dizia portanto que a minha educação foi de direita, não me lembro de alguém ter votado à esquerda do PSD. A minha irmã é filiada no PP (embora não pague as quotas e não queira saber daquilo para nada, filiou-se por excentricidade, maluqueira, ela é assim e é assim que eu gosto dela, bem-haja!); a minha mãe e o meu padrasto (de direita e monárquico, pertence a uma associação Real qualquer coisa, embora muito distante, muito indiferente), sem terem filiação partidária, são claramente de direita, nem sequer conceberam a hipótese ver o filme do Michael Moore e isso deu discussão acesa à mesa de um restaurante chinês; o meu pai, que não vive em Lisboa mas em Viseu, é direita, direita, a África foi uma experiência para toda a vida... Ora eu cresci nesse ambiente, em cafés de bairros de retornados onde o ambiente era o do colonialismo português, falava-se de ruas e localidades africanas com muito mais frequência e à-vontade do que de ruas em Lisboa; são nomes, palavras, que projectam em mim uma ressonância quase mítica, ainda hoje, quando oiço falar na Ilha de Moçambique (onde o meu Avô paterno foi Administrador), no Bilene, em Porto Amélia, Niassa, Lourenço Marques, Polana, etc, fico em transe, apático, nostálgico. Porque aquelas conversas em cafés cheios de fumo e de copos de whisky, quando criança, fizeram com que incorporasse em mim memórias que não me pertenciam. Até a palavra “paludismo” me é tão próxima e familiar como se dele sofresse as maleitas e não a minha tia, que volta e meia fica de cama, com tremuras e suores ora frios ora quentes. Tudo muito reaccionário, com à-partes muito racistas e “ó tempo, volta para trás”. Diziam: África?, regressar a África?, nunca mais quero voltar, os pretos deram cabo daquilo tudo, quero morrer com a memória daqueles tempos intacta, como era naquele tempo. Sinto-me de direita, como quem nasce com uma doença genética. No entanto, por temperamento, estilo de vida, sinto-me mais próximo da esquerda. Claro que esta distinção direita/esquerda complica-se muito quando falamos da América, dos Estados Unidos. O Kerry não será de esquerda, só é de esquerda porque os Republicanos são de direita. Se o Kerry fosse Europeu, líder de um partido europeu, não tenho dúvidas de que pertenceria a um partido de direita ou do centro-direita, digo eu, que não percebo nada disto. Bom, mas, como dizia, adormeci descansado, deviam ser umas quatro da manhã, adormeci a assistir à directa do José Alberto de Carvalho e do Pedro Magalhães. Quando acordei, pouco antes das seis, o mundo tinha mudado, pior, não iria mudar. Bush era o mais que provável vencedor. A Florida já estava a encarnado e o Ohio era cada vez mais Bush. Senti-me desgraçadamente, desassossegado, encarquilhado, com o pescoço maltratado, os olhos pesadíssimos fustigados pela luz azulada e intermitente da pantalha televisiva e a sala às escuras. Pior, acordei enrodilhado no edredão, com os pés de fora, frios, gelados. Levantei-me para comer qualquer coisa, beber um sumo de laranja com cálcio produzido na América, marca Tropicana, a mesma que o Tony Soprano bebe (já repararam nele a abrir o frigorífico e a beber do pacote um sumo Tropicana?). Os restantes minutos televisivos serviram-me apenas para confirmar a vitória republicana. Desliguei e fui para a cama, tentar finalmente descansar e verdadeiramente dormir.
Agora, acordado e pequeno-almoçado, tento racionalizar relativizar as eleições americanas. Desde logo, e o menos importante, a vitória de Bush é óptima para o leitor dos jornais portugueses. É muito mais entusiasmante ler a maioria dos comentadores irritados, furibundos com a vitória republicana. Sempre preferi ver as pessoas irritadas, zangadas, exaltadas. Revelam-se mais, mostram mais claramente a sua natureza e o fundo de que são feitos. Assistir a um coro de opiniões auto-celebratórias e contentinhas é um espectáculo que me desgosta. Por isso, fico à espera, na expectativa. Quero ver o fel e a bílis dos intelectuais a correr em turbilhão. Depois, e este será o aspecto mais importante, a esquerda europeia só tem a ganhar com esta vitória. Sabendo-se que a maioria dos europeus desejava a vitória de Kerry é de supor que nas próximas eleições em países europeus os povos se queiram vingar de não terem podido votar nas eleições da metrópole mundial (actualmente, um português que vá a Washington sente provavelmente o mesmo que um indiano no século XIX sentia quando ia a Londres ou um moçambicano a Lisboa, estava na capital do Império, na metrópole). Prevejo por isso que, mais do que duas Américas (e os resultados finais nas eleições americanas mostram-nos que, no fim de contas, a América não estava assim tão dividida, Bush ganhou mais contra Kerry do que contra Al Gore), teremos uma América e uma Europa cada vez mais de costas voltadas, uma América de direita e uma Europa de esquerda, mesmo que nas razões de Estado da política internacional certas alianças se mantenham: a América continuará a ser o mal menor. E eu, pequeno e insignificante bípede perante tudo isto? Bom, eu continuarei, como sempre, a votar no Partido da Terra.

P.S. Não posso deixar de confessar e reconhecer que hoje é um dia feliz para mim. Acabei a pior tradução da minha vida (caríssimo Rui Branco, o Quentin Skinner está despachado, vamos comemorar?). É portanto um dia de contrastes, como aliás todos o são: feliz por causa da tradução, infeliz por causa do mundo. Como é a olhar para o umbigo que todos nascemos e morremos, a minha pequena felicidade é muito mais importante do que o mundo. É mesmo assim, não há volta a dar.
João Pedro



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?