ESPLANAR

JOÃO PEDRO GEORGE
esplanar@hotmail.com

sexta-feira, setembro 17, 2004

 

Vamos jogar a uma coisa (XI)

Não sei se chegaste a entrar, no bar, depois de te teres dado conta do que implicava, ou se o estás a descobrir apenas agora, não sei o que pensas mas devo dizer que esta cena me agrada de morte. Agrada-me porque, ao contrário da cena com a surdo-muda graciosa, não se baseia no aleatório, mas decorre de modo preciso do dispositivo que criei. Se o conto acabou de facto por sair no dia previsto, se o comboio transita de facto no dia previsto, se a carruagem restaurante não está em greve, é absolutamente seguro – de outro modo seria desesperante – que um certo número de passageiros, e espero de passageiras, a ela se dirijam à hora indicada, o mesmo é dizer agora, na esperança de te identificar. Estão aí, ao teu redor. Eu não os conheço, mas convoquei-os dois meses atrás e agora estão aí. Isto sim é literatura performativa, ou não?
És uma belo ser um pouquinho exibicionista, imagino que estejas com o nariz enfiado no jornal, sem coragem para levantar os olhos. Vá lá, levanto-os ligeiramente. Estás em frente da janela. Se estiver escuro, ou se o comboio entrar num túnel, o interior da carruagem reflectir-se-á no vidro e tu poderás vê-los sem te voltares, mas não existem túneis no trajecto, não existem reflexos, apenas a paisagem sombria da Vandeia, chateaux d’eau, casario baixo, estradas desertas, sob um sol ainda alto no céu.
E eles, nas tuas costas.
Força. Não vale enterrar a cabeça na areia.
Respira fundo e depois volta-te.
Como se nada fosse, com a máxima naturalidade.
Agora. Vá.
Estão todos aí.
Homens, mulheres. Também eles agem como se não fosse nada com eles, mas muitos têm o «Le Monde» na mão.
Olham-te?
Tenho a certeza que te olham. Tenho a certeza que estão a olhar para ti já há alguns minutos, não sentiste os seus olhares cravados nas tuas costas? Aguardavam que te voltasses e agora aí estás, aí estás à sua frente, aí estás como se estivesses nua à sua frente.
Isto é demasiado, não te parece? Começa a parecer uma cena de um filme de terror. A heroína crê ter-se refugiado num lugar seguro, um bar cheio de gente, quando um pormenor aparentemente insignificante lhe revela, de repente, que todas as pessoas à sua volta, mesmo as mais aparentemente insignificantes, fazem parte do complot. Espiões, zombies, invasores extra-terrestres, pouco importa quem sejam, mas todos lêm o «Le Monde», é essa a sua senha de reconhecimento, acercam-se, e o cerco aperta-se.
Sentes-te apanhada na armadilha?
Ora, ora, era uma brincadeira. A história não é assim. Procura pensar um pouco. Antes de mais, não és a única suspeita, tenho a certeza que, no bar, outras mulheres estão a folhear um exemplar do «Le Monde». Quantas? Uma, quatro, onze? A partir, digamos, da terceira, considerarei isto um êxito. Eu, a estas mulheres, não pedi apenas que comparecessem, de preferência sós e em grande número para que não deixassem o campo aberto a uma orda de machos com cio, eu a estas mulheres pedi mais qualquer coisa. Ou melhor, estou a pedir-lhes neste momento, mas tenho a fundada suspeita que elas, ao contrário de ti, não tenham respeitado rigorosamente as indicações de leitura, e por isso tenham descoberto este parágrafo antes. O que eu peço a estas mulheres é o seguinte: se leram a minha carta e se se excitaram um pouco, ainda que só um bocadinho, estão dentro do jogo, e durante a derradeira hora de viagem, entre Niort e La Rochelle, comportai-vos como se fossem vocês a destinatária. É um papel fácil de interpretar, basta que leiam o «Le Monde» bebendo um café e uma água mineral no bar do TGV e que estejam atentas ao que acontece em vosso redor – e também dentro de vocês. É um papel simples, mas pode ser extremamente sexy. Conto com a vossa colaboração.
Ora bem, está tudo pronto, recordo-vos as regras do jogo: nesta carruagem restaurante estão um certo número de homens e mulheres que leram esta história, e que, com objectivos recôndidos diferentes, mas substancialmente sensuais, procuram identificar a heroína. A heroína és tu, mas és a única a sabê-lo e as outras mulheres fazem de conta que são tu. A heroína já há duas horas que está molhada como uma gota, e as outras mulheres começam a ficar molhadas elas também. Ademais, ao contrário da heroína, elas leram a história até ao fim, logo sabem o que acontece nas poucas páginas que restam. Esta situação deixa-me doido, fico louco por, graças ao «Le Monde», a coisa acontecer mesmo, realmente, mas em compensação não faço a mínima ideia de como controlá-la. Demasiadas personagens, demasiados parâmetros. Agora não controlo mais nada. Deixo a presa. Continuo, é óbvio, a imaginar: um ballet de olhares, sorrisos discretos, piscadelas de olho entre raparigas; uma risada sufocada, talvez uma risada incontrolável, se calhar uma manifestação violenta, ou então um tumulto surdo, porque não? Alguém reclama que está desgostoso, um outro que não compra o jornal de Hubert-Beuve-Méry para ler quejandas porcarias; talvez um diálogo picante e sofisticado do género eu-sei-que-tu-sabes-que-eu-sei («E o que é que sabe?» «Que ela tema a cona em chamas, cara senhora»), e porventura duas pessoas chegadas ao bar sem se conhecerem saem juntas. Pergunto-me o que acha uma pessoa que se encontre no bar sem ter lido o «Le Monde»: passa-lhe tudo ao lado? Ou dá-se conta de que está a acontecer alguma coisa, sem saber o quê? Pergunto-me, imagino, mas já não decido, agora deixo que cada um improvise a sua parte e espero que tu chegues à hora prevista, dentro de uma hora, para me contares tudo, na cama e depois em frente a um prato gigante de marisco. Decide tu por que ordem, como vês não sou assim tão despótico.
Rui



<< Home


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Arquivo

Julho 2004   Agosto 2004   Setembro 2004   Outubro 2004   Novembro 2004   Dezembro 2004   Janeiro 2005   Fevereiro 2005   Março 2005   Abril 2005   Maio 2005   Setembro 2005   Outubro 2005   Novembro 2005   Dezembro 2005   Janeiro 2006   Fevereiro 2006   Março 2006   Abril 2006   Maio 2006   Junho 2006   Julho 2006   Agosto 2006   Setembro 2006   Outubro 2006   Novembro 2006   Dezembro 2006   Janeiro 2007   Fevereiro 2007   Março 2007  

Outros Blogues

Abrupto
Alice Geirinhas
Álvaro Cunhal (Biografia)
AspirinaB
Babugem
Blasfémia (A)
Bombyx-Mori
Casmurro
Os Canhões de Navarone
Diogo Freitas da Costa
Da Literatura
Espectro (O)
Espuma dos Dias (A)
Estado Civil
Fuga para a Vitória
Garedelest
Homem-a-Dias
Estudos Sobre o Comunismo
Glória Fácil...
Memória Inventada (A)
Meu Inferno Privado
Morel, A Invenção de
Não Sei Brincar
Origem das Espécies
Portugal dos Pequeninos
Periférica
Prazeres Minúsculos
Quarta República
Rui Tavares
Saudades de Antero
Vidro Duplo











Powered by Blogger

This page is powered by Blogger. Isn't yours?